KODAK Digital Still Camera

Uma pesquisa desenvolvida por alunos e professores do Centro de Ciências Humanas e Agrárias (CCHA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), no Câmpus de Catolé do Rocha, em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), tem ajudado na restauração da cultura do maracujazeiro na Microrregião de Catolé do Rocha, no Sertão do Estado. A pesquisa “Solaplant”, liderada pelo professor Evandro Franklin de Mesquita, visa potencializar culturas típicas da região, a exemplo do quiabo, da melancia, batata-doce, abobrinha, entre outras.

Com a pesquisa, os professores e alunos pretendem contribuir para a irrigação do maracujazeiro azedo como uma tentativa de reduzir as perdas do rendimento e da qualidade da produção, bem como disponibilizar nitrogênio às plantas na época de maior extração do nutriente pela cultura, durante o crescimento e desenvolvimento dos frutos. A ideia é diminuir o efeito negativo da evaporação de referência no período da estiagem pela cobertura morta.

Os primeiros resultados da pesquisa já forneceram dados relevantes para a região, com a redução de 3oC na temperatura do solo com cobertura morta em comparação ao solo desnudo. A Paraíba ocupa o sétimo lugar entre os estados mais produtivos da cultura com produtividade. Segundo o professor Evandro Franklin, os resultados preliminares da pesquisa comprovam a eficiência do manejo adequado da irrigação e da adubação para que possa contribuir para a restauração da cultura, gerando mais uma fonte de renda para os agricultores da microrregião sertaneja.

De acordo com o pesquisador, o manejo da irrigação está sendo feito pelo método localizado, adotando o sistema por gotejamento com vazão de 8 litros por hora e pulverizações aéreas com microaspersor com vazão de 20 litros por hora, para minimizar o efeito da alta temperatura que, entre as 11h e 14h, concentra-se entre 30oC e 35oC.

Este método, de acordo com as explicações do professor Evandro, caracteriza-se pela eficiência do uso da água e consiste em aplicá-la no solo, próximo ao sistema radicular da cultura, em pequenas pressões e vazões, mas com elevada frequência. “Numa região em que a evaporação de referência pode chegar até 8 milímetros por dia, o uso da irrigação localizada é uma necessidade para a agricultura, o que significa menor quantidade de água evaporada da superfície do solo com a prática da cobertura morta na superfície do solo”, explicou o docente.

Além do professor Evandro Franklin, integram a equipe os professores pesquisadores Francisco Pinheiro, Irinaldo Pereira e Irton Miranda, da UEPB; Lourival Ferreira, da UFPB; bem como os alunos da Licenciatura em Ciências Agrárias da UEPB, Maria Rayanne da Silva, Géssica Martins de Figueiredo, Fernando Nóbrega Targino, Diogo Dantas Maia, Hellen Alessandra de Sá Bezerra, Fernando Nóbrega Targino, Mikaelle Fernandes Suassuna de Lima, José Carlos Ferreira e Damião Vagno Dantas Jales.

Realizada pelos alunos do Curso Técnico em Agropecuária, da Licenciatura em Ciências Agrárias da UEPB, do Bacharelado em Agronomia e do Curso de Pós-Graduação em Horticultura Tropical da UFCG, a pesquisa tem aumentado significativamente o ingresso dos graduados da Universidade Estadual da paraíba em programas de pós-graduação.

Assessoria

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Políticos do Cariri confirmam participação no SOS Transposição

Prefeitos e vereadores de diversos municípios do Cariri confirmaram presença no ato SOS Transposição, que será realizado no domingo (1º de setembro), em Monteiro. Inaugurada em março de 2017, a…

Divulgado resultado final do Gira Mundo Professor para Finlândia e Espanha

A Secretaria de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia (SEECT), em parceria com a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq), divulgou nesta sexta-feira (16)…