Por pbagora.com.br

Acordei hoje, abri a janela do quarto, e uma lufada de vento frio soprou o meu rosto. Ainda era muito cedo. O astro rei subia no horizonte de maneira leve e devagar. Fui à geladeira, tomei água. Esquentei o café, e bons goles dei. Estou um pouco gripado, mas a Covid-19 dentro do meu corpo, por enquanto, está descartada. Farei novos exames no final desta semana. Mas não posso negar: há três dias padeço com dores no corpo e um pouco de febre intermitente.

Dito o relato das minhas primeiras horas do dia, fui ao computador pedir socorro à sociologia e filosofia para entender um pouco mais sobre o tamanho ódio envolvendo pessoas que defendem a direita e as que estão do lado antagônico, leia-se: esquerda. Foi uma aventura salutar, complexa, mas de grande sabor para o apetite do saber.

Mas preciso avisar: não vou aqui tratar sobre o desenvolvimento das ideias de autores considerados de direita, como Donoso Cortez e Charles Maurras, bem como o daqueles considerados de esquerda, como Karl Marx e Bakunin, entre outros. Buscarei ser sintético e quem sabe ajudar alguns, como eu, a chegar numa resolução e fugir desses amargos rótulos que já fizeram males diversos à humanidade e continuam a fazer. Basta olhar o Brasil republicano e sua alternância de poderes.

Agora vou dar minha sentença, o que não significa a verdade absoluta, até pelo motivo dela [a verdade] ser uma mera Quimera, monstro mitológico com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente. Um mito que esfacela a sociedade na busca do poder pelo poder, não importando que os fins justifiquem os meios.

O Jogo da esquerda e direita

Não perca seu tempo classificando as pessoas, os partidos e as bandeiras entre esquerda e direita. A classificação existe apenas no discurso, não na realidade, pois ela é uma ferramenta retórica para criar conflitos, marcar posições e demonizar adversários.

Mais do que isso, falar e apoiar a esquerda radical ou extrema direita é participar de um jogo. Um jogo retórico que serve aos interesses de apenas um dos jogadores. Aquele que estiver com as melhores cartas na mão ganha e assume o poder e levantará suas bandeiras de luta. Na prática, seus interesses econômicos para transformar em capital a perpetuação no trono.

O conselho que dou: apenas defenda a liberdade, exerça sua cidadania e observe as reais intenções de cada agente político. E nesse caleidoscópio sem lógica e multicolorido, note os casos clássicos do conflito, como a situação dos trabalhadores. A esquerda busca para si a defesa da causa dos operários e a direita fica com a defesa dos empresários.

Raciocínio certo? Nem tanto, pois há vários empresários de esquerda e há também sindicalistas de direita. É um jogo, percebe leitor? Como uma ficção científica bem parecida com a “Matrix“, no qual alguns têm acesso ao controle do sistema e buscam moldar cada ser humano que pensa e existe.

Como surgiu a direita e a esquerda?

Essa é uma boa pergunta, e vou responder “en passant” para que o texto não fique longo e enfadonho. Desde o turbulento evento denominado Revolução Francesa (1789-1815), o qual, de acordo com alguns historiadores, inaugurou a Idade Contemporânea, os conceitos de direita e esquerda fazem-se presentes nos debates políticos e ideológicos, sobretudo no mundo ocidental.

Durante o processo revolucionário começado em 1789, na França, os girondinos, considerados mais moderados e conciliadores, ocupavam o lado direito da Assembleia Nacional Constituinte, enquanto os jacobinos, mais radicais e exaltados, ocupavam o lado esquerdo. Essa é a origem da nomenclatura política que categoriza os posicionamentos políticos no interior dos sistemas políticos contemporâneos.

E aí está uma rápida história sobre os pólos antagônicos da esquerda e direita. Quanto a minha pessoa, continuarei o meu dever de criticar algo que vejo estar incorreto e dar mérito ao que observo estar correto, não havendo uma predileção completa pela esquerda ou direita, principalmente ideias extremistas das duas partes.

Por fim, essa febre até que me ajudou a expandir a mente e sair da “bolha” inócua de discussão que hoje joga o país no precipício do ódio, medo, estagnação econômica. E tudo acontecendo em plena pandemia causada pelo novo coronavírus.

Eliabe Castor

PB Agora

Por Eliabe Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Novo leilão do Hotel Tambaú acontecerá no dia 29 de outubro

Com a água e a energia cortadas e sem o recolhimento do lixo do local, o Hotel Tambaú deve ir a leilão mais uma vez no próximo dia 29 de…

Opinião: querem “apedrejar” o padre, mas não estamos vivendo a Lei de Moisés

Em nossa língua portuguesa, há um provérbio muito conhecido, que sofre pequenas variações a depender do local onde ele é pronunciado: “Quem tem telhado de vidro, não joga pedra no…