Na ponta do lápis, um deputado federal custa R$ 278 mil por mês. A informação foi coletada pelo jornalista Lúcio Vaz, que escreve na Gazeta do Povo, cujo seu blog é destinado a fiscalizar o gasto público.

Agora vou explicar o motivo desses dados que introduzem este artigo. Buscar entender o real motivo do deputado federal Julian Lemos (PSL) enviar à Câmara solicitação de reembolso alimentício cujo valor foi de R$ 12,15.

Nem os centavos Lemos foi capaz de “dispensar”. É bom ressaltar que o nobre parlamentar, que se diz paladino da verdade, defensor da ética e moralidade, cobrou um direito que lhe assiste. Um direito “torto”, é bom frisar.

O direito invocado pelo Liberal é o de ser ressarcido em gastos com comida. Embora seja absurdo, o expediente é legal. E Lemos fez valer a lei. Sem o menor pudor exigiu a devolução do gasto que teve ao consumir uma Coca-Cola, cujo valor foi de R$ 3,43, além de um “Torcidinho de Frango”. Custo? R$ 8,72. Mas aí eu indago: é ético e moral solicitar a devolução de um valor diminuto em um país de esfomeados?

Para quem ainda não sabe, o rendimento base de um deputado federal é de R$ 33.763. E ao ser colocado na equação o chamado “Cotão”, estando nessa privada da imoralidade o “auxílio-mudança”, combustível, segurança, aluguel de carros, verba para divulgar atos parlamentares e segue lista extensa, um representante, que deveria ser do povo, custa ao contribuinte R$ 2,14 milhões por ano.

Faminto esse parlamentar de Campina Grande, talvez ainda mais que sua conterrânea, a senadora Daniella Ribeiro, que solicitou o reembolso de sorvete cujo valor foi de R$ 17 e um cafezinho de R$ 5. Pior: mostrando ter verdadeiro compromisso com ela mesma, cobrou de nós, contribuintes, R$ 420 em almoço para contentar um colunista social.

Mas a moça, observando a repercussão negativa do fato, e sofrendo uma espontânea e livre pressão da sociedade, recuou, pediu desculpas e informou que cancelaria o pedido de devolução.

Já Julian Lemos, o “faminto” e “paladino” da moralidade, desdenhou dos paraibanos, afirmando o seguinte: “Foi eu que lanchei, isso não tem problema na Câmara dos Deputados, é normal”.

É verdade. Julian Lemos tem razão. Na Câmara dos Deputados existem muitos artifícios “normais”, especialmente quando matérias importantes são votadas e a liberação de emendas para os “queridinhos” do Executivo aumentam de forma “paranormal”. Sem falar na troca de votos por importantes cargos públicos.

Em tempo, esclareço que nasci em Campina Grande, e se há fome na minha pessoa, ela vem da fome por Justiça, igualdade e um país mais justo, no qual parlamentares deveriam estar preocupados com o povo, não em solicitar reembolso mesquinho de contas de botecos ou restaurantes de luxo.

Eliabe Castor
PB Agora

Total
16
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Jovem de 19 anos é atingido por mais de 10 facadas durante briga em Santa Rita

O jovem Abraão Matias Nunes, 19 anos, foi alvejado com 14 golpes de faca peixeira, na tarde deste domingo, no município de Santa Rita, após se envolver em um briga…

Corrida do Bem leva 2 mil pessoas à orla de JP e faz homenagem a Gabriel Diniz

A 3ª edição da Corrida do Bem levou 2 mil pessoas para a orla de João Pessoa neste domingo (20). Este ano, a atividade fez uma homenagem ao cantor Gabriel…