A Paraíba o tempo todo  |

MPs reúnem secretarias estaduais e municipais para ordenar fiscalização em eventos com público na PB

Os três ramos do Ministério Público na Paraíba (Ministério Público do Estado, MPPB; Ministério Público Federal, MPF e Ministério Público do Trabalho, MPT) promoveram uma audiência com representantes das secretarias estadual e municipais de Saúde de João Pessoa, Cabedelo e Campina Grande, do Procon e do setor privado de eventos para tratar da fiscalização da retomada de eventos sociais com presença de público em todo o Estado. O objetivo é evitar o aumento de casos de covid-19 e retrocessos no enfrentamento da pandemia. Para isso, todas as questões discutidas – entre elas a exigência do cartão de vacinação e de testes negativos para o coronavírus do público participante – foram encaminhadas ao secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, e ao governador João Azevedo para que eles providenciem a elaboração das normas estaduais relativas à flexibilização das medidas de distanciamento e retomada das atividades econômicas.

A reunião aconteceu na última sexta-feira (29/10), por videoconferência, e contou também com a presença de representantes dos órgãos responsáveis pelo trabalho de fiscalização e averiguação do curmprimento dos protocolos sanitários e Decretos Estadual e municipais, como a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e vigilâncias sanitárias estadual e municipais.

Participaram as promotoras de Justiça que atuam na defesa da saúde em João Pessoa e Campina Grande, Jovana Tabosa e Adriana Amorim, respectivamente; a procuradora regional dos direitos do cidadão do MPF, Janaina Andrade, e o procurador do Trabalho, Raulino Maracajá.

Avanço na vacinação

Todos os representantes do MP destacaram a importância do setor de eventos para o avanço da vacinação contra a covid-19 no Estado (já que a adoção do certificado de vacina para acesso a determinados eventos esportivos ou de lazer pode estimular a vacinação e oferecer maior proteção à população) e que o objetivo da atuação ministerial é garantir o cumprimento das normas emitidas pelo poder público, evitar que agentes de fiscalização sejam agredidos durante o exercício do trabalho e cobrar uma definição clara das regras, que devem privilegiar o interesse público, para que o retorno dessas atividades ocorra com responsabilidade sanitária.

Eles também falaram sobre a necessidade de os organizadores de eventos apresentarem antecipadamente às vigilâncias sanitárias os protocolos sanitários para possibilitar eventuais correções, bem como avisos à PM, Corpo de Bombeiros e, a depender do caso, à Polícia Rodoviária Federal para que seja feito um planejamento sobre a fiscalização para o dia do evento.

Capacidade de público e agressões a fiscais

A promotora de Justiça Jovana Tabosa defendeu a importância de regras claras para a retomada de eventos com público, inclusive para evitar contradições entre o Decreto Estadual e os decretos municipais, sobretudo em relação à capacidade de público. Também informou que foi encaminhado ao Centro de Apoio Operacional em matéria criminal do MPPB os casos relacionados às possíveis agressões a fiscais para apuração de eventual prática dos delitos de infração à norma sanitária (artigo 268 do Código Penal) e desacato (artigo 331 do Código Penal).

Eventos de fim de ano

A promotora Adriana Amorim, por sua vez, defendeu a necessidade de se esclarecer como serão realizados e fiscalizados os eventos de fim de ano, que já começam a ser organizados pelos municípios. Ressaltou ainda a grande preocupação do MP em relação ao momento, que ainda é pandêmico e que, por isso, requer o respeito às medidas de distanciamento e prevenção e reafirmou a importância de o poder público uniformizar critérios como o momento de exigência do teste negativo de antígenos para o público.

Vaquejadas e forças-tarefas

Os membros do MP também destacaram que é importante que o poder público esclareça, se, mesmo para pessoas vacinadas, será exigido o teste negativo, e saber se haverá disposição em Decreto acerca da presença de público em vaquejadas, que, a princípio, teriam público somente on-line.

Eles destacaram que já há vaquejadas previstas para este mês com público estimado em mais de 10 mil pessoas e que as deliberações técnicas da Secretaria de Saúde do Estado devem ser encaminhadas ao governador para que sejam normatizadas. Sugeriram também a criação de força-tarefa estadual com um quantitativo adequado de profissionais e estratégias de fiscalização para cada tipo de evento.

Trabalhadores

Em relação à segurança dos trabalhadores do setor de eventos, o procurador do Trabalho, Raulino Maracajá, cobrou o cumprimento das normas, inclusive no que diz respeito à dispensação de equipamentos de proteção individual (como uso de máscaras, protetores faciais e disponibilização de recipientes com álcool-gel) e a divulgação mais ampla possível das exigências para o público e alertou que o recrudescimento da pandemia poderá acarretar nova suspensão das atividades.

Aperfeiçoamento dos decretos

A representante da SES-PB, Renata Nóbrega, reforçou a necessidade de os organizadores de eventos observarem os Decretos, em especial a exigência de comprovante de vacinação. Ela também reforçou a importância da retenção de testes e documentos para permitir à secretaria o monitoramento das pessoas que, após os eventos, apresentarem sintomas respiratórios. Disse ainda que os próximos decretos serão aperfeiçoados para melhor controle da pandemia no Estado.

Da Redação com Assessoria

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe