Por pbagora.com.br

Já imaginou enfrentar uma fila em um lugar fechado, sem nenhuma refrigeração? E o pior, já imaginou passar por esse mesmo transtorno estando com sede? Pois é, este é o cenário que os usuários do Bolsa Família em João Pessoa estão enfrentando nos últimos três meses na sede do programa, situada na Avenida Dom Pedro I, 849, no Centro da Capital.

A unidade foi inaugurada em agosto de 2012, ainda pelo prefeito Luciano Agra (PEN), mas já apresenta problemas físicos. É que tanto os usuários quanto os funcionários estão sofrendo com o calor dentro da sala por causa de ar condicionados e gelágua quebrados.

Alguns ventiladores foram instalados nas salas para tentar amenizar o calor, mas estes também quebraram e não foram repostos pela administração municipal, restando aos funcionários escancararem as portas e janelas e trazerem de suas próprias residências ventiladores para poderem trabalhar e não passar mal. Já a agua, quem deseja injeri-la, tem que toma-la ao natural e, muitas vezes quente, já que o aparelho gelágua também não funciona.

Os usuários do Bolsa Família, que se aglomeram todos os dias para realizar o recadastramento se dizem insatisfeitos e classificam como humilhação e falta de respeito com o próximo o tratamento que vem sendo oferecido pelo programa na Capital.

“Não basta precisar do Bolsa Família, ainda temos que passar por esse constrangimento, enfrentando filas em um ambiente fechado, sem nenhuma ventilação. As pessoas suam e os odores são constantes”, desabafou.

Os funcionários, com receio de represálias, não falam nada, apenas que os ar condicionados estão quebrados e que os ventiladores também estão quebrados.

Um dos usuários chegou a comentar que teria visto até ratos no local e que, inclusive, teria medo de deixar os filhos brincando enquanto aguardava atendimento. A informação sobre os ratos, no entanto, não foi confirmada por nenhum servidor.

Serviços – Além das famílias inscritas no Bolsa Família, o prédio também é sede do Cadastro Único, conhecido como CadÚnico. Atualmente, João Pessoa possui mais de 102 mil famílias inscritas nesse instrumento, que funciona para a coleta de dados e informações com o objetivo de identificar as famílias de baixa renda existentes na cidade.

Já o programa Bolsa Universitária atende a 150 estudantes universitários, que recebem uma bolsa de 1/3 a ½ salário mínimo. O novo prédio também é ponto central para atendimento ao Papi, formado atualmente por 51 grupos de convivência de idosos em diversos bairros, totalizando três mil pessoas atendidas.

OUTRO LADO

A reportagem do PB Agora procurou o prefeito Luciano Cartaxo, nesta terça-feira (11), para saber se existia alguma expectativa de solução para o problema, mas ele informou que desconhecia o fato e, até agora, não teria sido informado de nenhum problema físico na unidade.

 

Márcia Dias


PB Agora

Notícias relacionadas

TCE alerta presidente da CMCG sobre pagamentos previdenciários

O presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, vereador José Marinaldo Cardoso (Republicanos), foi alertado pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB). De acordo com o alerta emitido…

João anuncia R$ 12 milhões para construção de 1.500 cisternas em 39 cidades da PB

O governador João Azevêdo assinou, nesta segunda-feira (19), os contratos para implantação de 1.500 cisternas em 224 comunidades localizadas em 39 municípios paraibanos. As ações serão executadas pelo projeto Cooperar,…