Uma fiscalização realizada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e órgãos de segurança e defesa do consumidor em postos de combustíveis, supermercados e agências bancárias de Sousa, no Alto Sertão da Paraíba, nesta terça-feira (9), resultou na prisão em flagrante de duas pessoas por crime contra a ordem econômica (Lei 8.137/90). A primeira foi o proprietário de um posto de combustível já teve uma bomba interditada por apresentar problemas na vazão. A segundo foi o gerente de um supermercado onde foram encontrados produtos impróprios para o consumo.

A fiscalização foi coordenada pela Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Sousa, pelo Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MP-Procon) de João Pessoa e de Campina Grande e pelo Procon-PB, com o apoio do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial da Paraíba (Imeq-PB), Corpo de Bombeiros, Polícias Civil e Militar, Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa), Vigilância Sanitária do Município de Sousa e Procon Municipal.

A fiscalização foi solicitada pela promotora de Justiça Mariana Neves, que atua na defesa do consumidor em Sousa. “A fiscalização conjunta dos órgãos com o apoio do MP-Procon é extremamente importante na defesa e proteção dos direitos do consumidor”, defendeu.

O diretor-geral do MP-Procon, o promotor de Justiça Francisco Glauberto Bezerra, por sua vez, destacou que a operação faz parte de um trabalho contínuo e permanente que visa prevenir acidentes de consumo e que o objetivo é interiorizar, cada vez mais, essas ações. “Por orientação do procurador-geral de Justiça, estamos interiorizando essas ações para promover e proteger a segurança econômica e de saúde do consumidor, a exemplo do que fizemos com a Operação Poseidon (que em 2018 fiscalizou fábricas de água adicionada de sais em vários municípios paraibanos, resultando na interdição de 17 estabelecimentos e na prisão em flagrante de oito pessoas por crime de adulteração de produto voltado ao consumo humano)”, acrescentou.

O delegado da Polícia Civil, Carlos Seabra, que acompanhou a operação, ressaltou que a atuação conjunta das instituições na fiscalização dá mais respaldo ao trabalho executado, além de servir de ponto de apoio para a população, que vê os problemas sendo corrigidos, e de exemplo para os comerciantes se adequarem às normas. Ainda segundo o delegado, a fiscalização também gera responsabilização penal das pessoas presas em flagrante.

Já a superintendente do Procon-PB, Késsia Liliane, destacou a importância da atuação conjunta dos órgãos de defesa do consumidor. “É fundamental esse trabalho conjunto, coordenado pelo Ministério Público, porque com a atuação de todos os órgãos, cada um de acordo com suas atribuições, é possível fazer um raio X dos problemas existentes nos fornecedores e reparar esses problemas, para garantir que sejam entregues aos cidadãos produtos e serviços de qualidade”, explicou.

As fiscalizações

Três equipes participaram das fiscalizações em Sousa. A equipe que está atuando nos postos de combustíveis está verificando questões relativas à qualidade e à quantidade do combustível vendido ao consumidor, como o percentual de álcool diluído na gasolina (o permitido pela normatização é de 27%) e a vazão das bombas, por exemplo.

O posto que sofreu interdição de uma de suas bombas foi o Milenium, localizado no Centro da cidade. O proprietário foi preso em flagrante, conduzido à delegacia de Sousa e vai aguardar audiência de custódia. Ele deverá responder pelo crime previsto no artigo 1° da Lei 8.176/1991, por comercializar combustível em desacordo com as normas estabelecidas na lei.

Já a equipe que fiscalizou o setor supermercadista averiguou, principalmente, questões sanitárias, como a manipulação e o acondicionamento de alimentos, bem como a validade dos produtos comercializados; questões estruturais e a existência de certificados e licenças, como as emitidas pelo Corpo de Bombeiros. O supermercado que teve o gerente preso foi o Super Félix. Nele foram encontrados produtos vencidos; leite sem procedência registrada; produtos com mal acondicionamento. O estabelecimento teve suas câmeras frias interditadas. O supermercado Pio foi notificado pelo Corpo de Bombeiros e teve seu depósito interditado pela Agevisa.

A terceira equipe fiscalizou agências de bancos públicos e privados, localizadas no município. Elas verificaram questões como o tempo de atendimento dos clientes (cumprimento da ‘Lei da Fila’) e a acessibilidade das agências.

 

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em Sousa: idosa de 70 anos morre com suspeita da Covid-19

Uma idosa de 70 anos, com histórico de diabetes, morreu na tarde de ontem, sábado (04), no município de Sousa, Sertão da Paraíba, com suspeita do novo coronavírus. Ela estava…

Agentes de limpeza de JP serão homenageados neste sábado

Todos os trabalhadores que atuam na limpeza urbana serão homenageados, neste sábado (4), às 20h,  pelo trabalho que seguem desenvolvendo nas cidades, apesar da pandemia do novo coronavírus. A convocação…