O Centro Estadual de Arte (Cearte) está promovendo a exposição “Kipupa – Caiana: de malungo pra malungo”, que ficará aberta até o dia 31 de janeiro em horário comercial de terça à sexta-feira, e programação especial nas noites de quinta, sexta, sábado e domingo. Nas fotos, os professores Allan Luna e Helder Oliveira revelam a força e história de dois quilombos, um em Pernambuco e outro na Paraíba.  A exposição, que faz parte das festividades da Semana de Arte do Cearte, está montada na Usina Energisa, tem curadoria de Thayroni Arruda e é realizada pela Galeria das Quinze Portas.

Allan Luna e Helder Oliveira registram nas fotos as facetas de dois emblemáticos grupos de população negra, respectivamente, Pernambuco – Quilombo do Catucá, na Zona da Mata Norte, entre Recife e Goiana; e Paraíba – Quilombo de Caiana dos Crioulos, em Alagoa Grande.

Em relação ao título da exposição os fotógrafos explicam: “Malungo é traduzido como “companheiro”, “amigo”, “camarada” e identifica as pessoas que vieram para estas terras no mesmo navio negreiro. Kipupa é união, associação de pessoas em torno de um objetivo. Kipupa – Caiana: de malungo pra malungo é uma ponte entre dois agrupamentos de resistência negra, de dois estados do Nordeste, e entre os vários malungos dessas duas localidades.

“A narrativa visual, que costura as imagens do Kipupa e de Caiana, nos faz refletir sobre a alegria, a autoestima e a força da identidade e ancestralidade da cultura negra, em um constante lutar e resistir. A música, a dança, as relações que se constroem são aqui registradas por ambos os artistas e em ambos os lugares de memória. Uma verdadeira dança de um povo, cheia de equilíbrio, força, delicadeza e musicalidade, sobre a qual se sustenta um enorme senso de comunidade e pertencimento”, frisa o curador da exposição Thayroni Arruda.

Pernambuco – Quilombo do Catucá – O Kipupa, um grande encontro espiritual, em nível nacional, de juremeiros e juremeiras, acontece anualmente no município de Abreu e Lima – PE e já se encontra na sua XIV edição. A celebração acontece nas antigas matas onde existiu e resistiu o Quilombo do Catucá (Zona da Mata Norte, entre Recife e Goiana), durante a primeira metade do século XIX.

Possivelmente, aproveitando as ebulições como a Revolução de 1817 e a Confederação do Equador, em 1824, os negros escravizados fugiam do Recife e região, e formaram comunidades na grande Mata do Catucá. Neste quilombo viveu seu líder, mais conhecido como João Batista, assassinado em 1835, após ser amplamente perseguido pelo Estado – inclusive, com o governo provincial oferecendo uma recompensa de 100.000 réis pela sua captura. Visto como um marginal perigoso pela coroa, foi excluído das páginas da historiografia oficial. Hoje, entende-se que João Batista foi dos grandes personagens da História pernambucana neste período de conturbação política.

Paraíba – Quilombo Caiana dos Criolos – Neste trabalho, podem ser vistas imagens capturadas na mais importante Comunidade Quilombola da Paraíba, Caiana dos Crioulos, com área de mais de seiscentos e quarenta e seis hectares, situada nas serras da zona rural da cidade de Alagoa Grande. O quilombo chegou a alcançar cerca de dois mil habitantes, descendentes diretos de cidadãos africanos escravizados, que se instalaram por lá entre os séculos XVII e XIX.  A suposição é que tenham vindo de Mamanguape, após uma rebelião ocorrida em um navio negreiro que aportou em Baía da Traição nesse período.

Sobre seu surgimento, também há versões diversas: alguns afirmam que escravizados fugitivos de engenhos na cidade de Areia o compuseram; há ainda relações que remontam à dinâmica populacional de Palmares. Na ocasião do ensaio fotográfico,estava sendo festejado o dia 20 de novembro de 2006, momento em que a consciência negra é celebrada com muita música, dança, mística e calor. Entre os inúmeros mestres da cultura popular oriundos deste celeiro, destacam-se: Firmo Santino, Zé Teó, João Teó, Vital, José Alves da Cruz “Zuza” (banda cabaçal); Dona Edith, Cida de Caiana (coco de roda e ciranda); Maria Narcisa da Silva, Dona Edith (parteiras).

Os Fotógrafos
Hélder Oliveira recebeu os prêmios Sesc João Pessoa e Mostra Fotográfica Brasil Afro, da Votorantim, além de seleção para várias exposições, pelas fotos de Caiana dos Crioulos. O fotógrafoé de uma geração que vivenciou a transição analógico-digital, foi integrante da Agencia Ensaio, escola e lugar das primeiras expedições fotográficas e projetos autorais. Além de fotógrafo, é artista visual e licenciado em História (UFPB-2011). Natural de Bayeux-PB, mas desde 1985 radicado na capital, iniciou sua carreira no Movimento Conspiração Cultural. Foi pesquisador nos Projetos de Documentação e Memória das duas primeiras turmas do Curso de História participando da construção e produção dos documentários Bandeiras Vermelhas (2005), Retratos em 3×4 (2007) e Círculo de Memórias (2011). Dentro do Projeto Museu do Patrimônio Vivo da grande João Pessoa – 2a Fase (Coletivo Jaraguá 2013- 2015) ministrou a oficina Educação Patrimonial aplicada ao Registro de Campo (Fotografia) resultando em uma mostra fotográfica itinerante.

Atualmente é professor de fotografia no CEARTE-PB.Desde 2013 vem facilitando cursos livres e de extensão: fotografia artesanal (Pinhole), fotografia criativa, fotografia autoral, fotografia para crianças, fotografia para idosos e poesia visual. Desde 2004 desenvolve pesquisa fotográfica no Porto do Capim-Varadouro. Lugar onde, em 2019, dentro do eixo extensão na instituição supracitada, inicia ações formativas relacionadas com fotografia, memória, patrimônio e audiovisual.

Allan Luna é historiador e fotógrafo e vem documentando as festividades do chamado Kipupa Malunguinho – Coco na Mata do Catucá, desde 2015. Natural de recifense, desde 2013 o fotógrafo elegeu a cidade de João Pessoa para viver. É graduado em História pela UFPE, com mestrado em História Social realizado na mesma universidade. Foi selecionado no IV Concurso de Fotografias Mestre Luís de França (2015) e teve o trabalho “Comemorações. Gerações da Jurema” exposto em mostra coletiva sobre os 127 anos da Abolição da escravidão, organizada pelo Museu da Abolição da Cidade do Recife e pelo Instituto Brasileiro de Museus. Em 2019, foi selecionado pela Comissão do Edital de Ocupação de Artes Visuais da Usina Cultural Energisa (2019-2020), estando entre os artistas que farão parte da programação de exposições no período, na qual irá expor o ensaio Ruderais, produzido no Centro Histórico de João Pessoa.

Ainda em 2019, foi contemplado pelo Edital de propostas artísticas do Festival de Artes de Jackson do Pandeiro, realizado pela FUNESC. Como resultado deste Festival, possui duas fotografias, feitas em edições do Kipupa Malunguinho, expostas em grande formato no interior do Espaço Cultural José Lins do Rêgo.

Atualmente é professor no Centro Estadual de Arte da Paraíba, ministrou a disciplina História da Fotografia, no curso Técnico em Processos Fotográficos (CEARTE-PB/PRONATEC 2017-2018) e vem ministrando cursos livres na mesma instituição: “Iniciação à Fotografia: técnica, estética e linguagem fotográfica”; “Mobgrafia: fotografia com smartphone”; e “Fotografia Documental”.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Carro fica destruído após pegar fogo em movimento em JP

Em uma cena cinematográfica, um carro pegou fogo na manhã desta quarta-feira (8) na avenida Epitácio Pessoa, em João Pessoa. O veículo ficou completamente destruído. Inicialmente, com o carro em…

Opinião: Bolsonaro começa a se tornar uma figura decorativa e desmoralizada na Presidência da República

O episódio inerente à tumultuada permanência no Governo Federal do ministro Luiz Henrique Mandetta denota que o Brasil está como um barco à deriva, sem comando. Pelo menos, até que…