O Ministério Público da Paraíba (MPPB) vai promover, na próxima segunda-feira (12), na sede da Promotoria de Justiça de Campina Grande, uma escuta social com representantes governamentais, de ONGs (organizações não-governamentais), movimentos sociais, entidades sindicais, membros da iniciativa privada, instituições acadêmicas e de pesquisa e público em geral para discutir um problema grave: o crescente número de assassinatos de adolescentes e jovens negros em Campina Grande.

De acordo com o estudo divulgado em 2017, realizado pela Secretaria Nacional de Juventude com o apoio técnico do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e da Unesco Brasil, a Paraíba é o terceiro estado brasileiro onde jovens negros têm mais chances de serem vítimas de homicídios do que jovens brancos. Aqui, o risco de morte para um jovem afrodescendente é 8,9 vezes maior do que para um jovem branco. O estudo aponta ainda que João Pessoa é a 9ª capital brasileira em que a população negra está mais vulnerável à violência letal. Campina Grande ocupa a 111a colocação no ranking nacional.

O evento, que será realizado a partir das 14 horas, atende à solicitação do Movimento Negro de Campina Grande, que em maio deste ano recorreu à Promotoria de Justiça de Defesa da Criança e do Adolescente para pedir o apoio do MPPB, em relação à cobrança ao poder público de medidas e políticas públicas sobre o assunto.

Conforme explicou a promotora de Justiça Juliana Couto Ramos, que atua na área da Infância e Juventude, a escuta social terá como objetivos conscientizar a população, gestores públicos e empresas privadas sobre a necessidade de enfrentar o crescente número de homicídios de adolescentes negros na cidade de Campina Grande; levantar os serviços oferecidos pelo Município, as limitações e os desafios enfrentados para a efetivação dos resultados; apontar e identificar as demandas da população afrodescendente na cidade e desenhar propostas de políticas públicas no Município de Campina Grande visando o enfrentamento e a prevenção da violência contra a população negra.

Palestrantes

O evento que será promovido pelo MPPB, na Promotoria de Campina Grande, terá como palestrantes a psicóloga especialista em Direito da Família, Ana Elizabeth Luna; a professora de História e coordenadora do Núcleo de Estudos Afrodescendentes e Indígenas da UEPB (Universidade Estadual da Paraíba), Ofélia Maria Barros e da delegada titular da Delegacia de Homicídios de Campina Grande, Suelane Guimarães.

Redação
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cortes do CNPq atingem programas de iniciação científica e tecnológica da UFCG

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) cortou 234 bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica (IC&T) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). O anúncio foi feito na…

PL de Ruy amplia acessibilidade às praias para pessoas com mobilidade reduzida

O deputado federal Ruy Carneiro apresentou um novo projeto em favor das pessoas com deficiência física, promovendo mais inclusão e qualidade de vida. Desta vez, o parlamentar paraibano é autor…