Por pbagora.com.br

Depois de o Banco do Brasil ter retirado do ar um vídeo de campanha voltada ao público jovem por determinação de Jair Bolsonaro, o chefe do banco estatal, Rubem Novaes, disse que o episódio tem que "ser visto em um contexto mais amplo em que se discute a questão da diversidade no país".

Em resposta à BBC News Brasil, Novaes afirmou neste sábado (27) que a esquerda tentou empoderar minorias e caracterizar o cidadão "normal" como exceção.

"Durante décadas, a esquerda brasileira deflagrou uma guerra cultural tentando confrontar pobres e ricos, negros e brancos, mulheres e homens, homo e heterossexuais etc, etc. O 'empoderamento' de minorias era o instrumento acionado em diversas manifestações culturais: novelas, filmes, exposições de arte etc., onde se procurava caracterizar o cidadão 'normal' como a exceção e a exceção como regra", disse.

O posicionamento de Novaes foi enviado por escrito por meio da assessoria de imprensa da instituição, após a reportagem da BBC News Brasil questionar se, na avaliação dele, o episódio abriria caminho para o veto de questões ligadas à diversidade em publicidade de estatais.

Na resposta, o presidente do Banco do Brasil afirmou também que, nas últimas eleições, "diferentes visões do mundo se confrontaram e um povo majoritariamente conservador fez uma clara opção no sentido de rejeitar a sociedade alternativa que os meios de comunicação procuravam nos impor".

Inicialmente, o Banco do Brasil tinha evitado entrar em uma discussão sobre ideologia. Também por meio da assessoria de imprensa, havia informado nesta sexta-feira (26) que o presidente da instituição "considerou que faltaram outros perfis de jovens brasileiros que o banco busca alcançar com suas campanhas de publicidade", ao justificar a retirada do vídeo do ar.

Vídeo marcado pela diversidade
O jornal O Globo revelou nesta quinta-feira (25) que, por ordem do presidente Jair Bolsonaro, o Banco do Brasil retirou do ar vídeo de uma campanha voltada ao público jovem.

Funcionário de carreira do banco, o diretor de Marketing e Comunicação, Delano Valentim, foi destituído do cargo. Segundo a assessoria do Banco do Brasil, ele está em férias e o destino dele dentro da instituição será discutido após o retorno.

Com 30 segundos, o vídeo é voltado para o público jovem e estimula a abertura de contas do Banco do Brasil por meio de aplicativo. A peça mostra 14 pessoas, com metade dos atores negros. Jovens com diversos estilos de roupas e cortes de cabelo são retratados fazendo selfies com o celular.

O que disse Bolsonaro
A fala de Novaes está alinhada com o discurso de Bolsonaro, que, na manhã deste sábado, defendeu o veto à propaganda do Banco do Brasil e disse que a população quer respeito à família.

"Quem indica e nomeia presidente do BB, não sou eu? Não preciso falar mais nada então. A linha mudou, a massa quer respeito à família, ninguém quer perseguir minoria nenhuma. E nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira. Não é a minha linha. vocês sabem que não é minha linha", afirmou Bolsonaro.

Rubem Novaes assumiu o comando do Banco do Brasil no início deste ano. Próximo ao ministro da Economia, Paulo Guedes, Novaes é doutor pela Universidade de Chicago e teve passagem pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) e pelo Sebrae. Também deu aulas na Fundação Getulio Vargas.

Vaivém sobre aval do presidente
O Palácio do Planalto chegou a determinar que as campanhas publicitárias das empresas estatais deveriam passar pelo crivo da Secretaria de Comunicação Social (Secom).

A decisão foi comunicada por e-mail às equipes de comunicação das estatais, em uma mensagem assinada por Glen Lopes Valente, secretário de publicidade e promoção da Secom. O texto, enviado na quarta-feira (24), informava inclusive que essa previsão seria incorporada em uma instrução normativa.

Em seguida, no entanto, o governo reconheceu que a medida iria ferir a Lei das Estatais e recuou, ao dizer que não cabe à administração direta intervir no conteúdo da publicidade estritamente mercadológica das estatais.

E mais: "Empresas devem ter diversidade de gênero, raças, nacionalidade e experiências"

A Lei das Estatais, de 2016, estabelece que "as ações e deliberações do órgão ou ente de controle não podem implicar interferência na gestão das empresas públicas e das sociedades de economia mista a ele submetidas nem ingerência no exercício de suas competências ou na definição de políticas públicas".

Em outro ponto, diz que a supervisão da empresa pública "não pode ensejar a redução ou a supressão da autonomia" e "nem autoriza a ingerência do supervisor em sua administração e funcionamento, devendo a supervisão ser exercida nos limites da legislação aplicável".

Resposta completa
Leia a íntegra do posicionamento do presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, enviado à BBC News Brasil:

"O episódio da retirada do filme produzido para a propaganda do BB para a abertura de contas digitais pelo público jovem tem que ser visto em um contexto mais amplo em que se discute a questão da diversidade no país.

Durante décadas, a esquerda brasileira deflagrou uma guerra cultural tentando confrontar pobres e ricos, negros e brancos, mulheres e homens, homo e heterossexuais etc, etc. O "empoderamento" de minorias era o instrumento acionado em diversas manifestações culturais: novelas, filmes, exposições de arte etc., onde se procurava caracterizar o cidadão "normal" como a exceção e a exceção como regra.

Nas últimas eleições, diferentes visões do mundo se confrontaram e um povo majoritariamente conservador fez uma clara opção no sentido de rejeitar a sociedade alternativa que os meios de comunicação procuravam nos impor.

É este o pano de fundo para nossos debates atuais."

 

Época Negócios 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Notícias relacionadas

Homem fica ferido em acidente doméstico com panela quente, em JP

Na manhã desta quarta-feira (24) um homem ficou ferido em um acidente doméstico com uma panela quente, no Centro de João Pessoa. De acordo com as informações a panela em…

MPF elogia transparência da Prefeitura de Princesa Isabel na vacinação contra covid-19

O Ministério Público Federal (MPF), através da Procuradoria da República em Monteiro-PB, elogiou a iniciativa do prefeito de Princesa Isabel, Ricardo Pereira (Cidadania), de publicar no site oficial da Prefeitura…