Na tarde desta quarta-feira (4), a cúpula executiva da CUT vai se reunir para avaliar o pacote de proteção à economia da Paraíba, lançada pelo governo do estado.

 

Para uma melhor análise do pacote, o presidente da CUT, Luis Silva, solicitou mais dados do IBGE e da DIEESE sobre o número de demissões no estado, para que eles possam juntamente com os trabalhadores garantir os empregos sem redução de salários.

 

Segundo Luis Silva, a maior preocupação da CUT é que as demissões causadas em decorrência da crise financeira, que passamos no momento, não virem uma bola de neve. “Comparando o mês de dezembro com novembro, houveram 2.400 demissões no estado e 70% delas foram nas cidades de Campina Grande e João Pessoa”, diz Luis.

 

O setor que mais sentiu o impacto da crise foi o da construção civil. Das 2.400 demissões, 700 foram desse setor.

 

 

Milena Feitosa
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Municípios têm até domingo para declarar interesse no auxílio emergencial, na PB

A Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) lembra que os gestores municipais têm até domingo (7) para comunicar à Secretaria do Tesouro Nacional, por meio de uma declaração…

Cantor paraibano Totonho pode perder audição após choque em fones de ouvido

Através das suas redes sociais o cantor e compositor paraibano Totonho revelou que pode ficar sem a audição do ouvido direito após sofrer um choque elétrico dentro do ouvido ao…