Por pbagora.com.br
 
 

Para alavancar a economia após os impactos da pandemia, o candidato a prefeito Anísio Maia (PT) defende o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Obras e os recursos recolhidos com a outorga onerosa serão fundamentais para as intervenções nas áreas periféricas ou carentes de infraestrutura. O compromisso foi assumido mais uma vez, durante debate em uma emissora de TV de João Pessoa, na noite deste sábado (7), durante um confronto com o candidato Nilvan Ferreira, adepto de rever a cobrança do imposto.

Anísio Maia tem destacado que após o impacto da pandemia do novo coronavírus as receitas das prefeituras sofreram impacto e isso inclui João Pessoa, portanto, seria uma aventura dispensar impostos já consolidados e que tem uma destinação social de grande impacto nas comunidades mais carentes.

“O choque de gestão proposto por Nilvan é próprio dos liberais. Aqueles que defendem sempre os grandes empresários. Agora veja só o choque de gestão dele para retirar recursos dos bairros mais humildades e mais carentes porque a outorga onerosa é uma taxa que é coletada para o Fundurb, fundo direcionado aos investimentos nos bairros mais carentes de João Pessoa, então o choque de gestão é para tirar dos pobres. É para tirar dos bairros mais carentes a possibilidade de ter investimento, que é difícil para o poder público”, enfatizou.

A outorga onerosa é uma taxa criada em 2011 para empreendimentos do setor da construção civil que extrapolem o uso do solo ou que a atividade gere impactos nas imediações. Os recursos são destinados para o Fundo de Urbanização (Fundurb) para serem aplicados obrigatoriamente nas Zonas Especiais de Interesses Sociais (Zeis).

Em maio deste ano, o prefeito Luciano Cartaxo (PV), tutor da candidatura de Edilma Freire (PV), encaminhou à Câmara Municipal o Projeto de Lei Complementar (PLC) 59/2020 que modifica o Plano Diretor do Município.

Com o PLC, os recursos do Fundurb que eram restritos às Zeis poderiam ser aplicados, por exemplo, em regularização fundiária, ordenamento e direcionamento da expansão urbana, criação de espaços públicos de lazer e áreas verdes. Na prática, o PLC que já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), amplia as aplicações do Fundurb em detrimento da urgência do investimento nas Zeis.

Assessoria

 
 
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Energisa Borborema tem a mais baixa tarifa de energia elétrica do Brasil

Ranking da Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, que inclui 53 concessionárias, apontou a Energisa Borborema, na Paraíba, entre as que possuem a menor tarifa residencial do país. Segundo…

Em nota, Livraria Leitura diz que repudia atos de discriminação

A Livraria Leitura usou seu perfil numa rede social para emitir nota com relação ao episódio de possível caso de discriminação racial em loja localizada no Mangabeira Shopping em João…