A Paraíba o tempo todo  |

Análise – Pasmem! Secretário de Cícero trata por “mimimi” o problema da Covid-19

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Ao que tudo indica, o prefeito Cícero Lucena (Progressistas) fez uma péssima escolha para a Secretaria de Saúde, na pessoa do senhor Fábio Rocha.

Em meio a um quadro mundial preocupante da pandemia do coronavírus e que só se agrava, sobretudo no Brasil, o secretário de Cícero encarregado de cuidar da saúde dos pessoenses deu declarações à emissora de TV tratando por (acreditem se quiser!) “mimimi” os casos de Covid-19 em João Pessoa. Ele afirmou que 80% das pessoas que apresentam sintomas da doença, não estão com a doença.

A declaração do novo secretário foi para justificar a reabertura das UPAs (Unidades Básicas de Saúde) para o atendimento de outros problemas de saúde da população.

Desdenhando

Sanar a precariedade da Rede Municipal de Saúde para atender o clamor da população por assistência médica é uma coisa. Mas tratar por “mimimi” a Covid-19, cujo aumento de novos casos tem assustado a população, é desdenhar do povo pessoense, especialmente dos que estão doentes e, mais ainda, das famílias enlutadas que já perderam seus entes queridos para a doença.

Não, senhor Fábio Rocha, não se trata de “mimimi”! Trata-se de uma situação extremamente preocupante em que uma população inteira está passível de contrair uma doença que pôs a humanidade numa sinuca de bico.

Talvez o senhor desdenhe tanto porque, graças a Deus, nem o senhor nem ninguém da sua família foi acometido gravemente pela Covid-19. E, caso acontecesse (que Deus o proteja!), naturalmente nenhum deles iria parar nas filas da Rede Municipal de Saúde, porque o senhor tem recursos para mandá-los para serem tratados em hospitais particulares e até pra ponte aérea.

Com este procedimento deplorável, o doutor Fábio Rocha também passa um atestado de incompetência para exercer o cargo para o qual o prefeito de João Pessoa o escolheu.

Uma péssima escolha que, a depender da indiferença deste cidadão para com os problemas decorrentes do coronavírus, a gestão de Cícero Lucena pode ficar em maus lençóis diante do que poderá acontecer pela incompetência de saber lidar com problema tão grave.

Sem noção

Vejamos o tamanho do abismo que separa o projeto de saúde optado por Cícero Lucena para João Pessoa, da realidade brasileira, particularmente: enquanto o secretário da nova gestão trata tão grave questão como um “mimimi”, o médico e neurocientista Miguel Nicolelis, que coordena o Comitê Científico do Consórcio Nordeste, fez uma previsão assustadora sobre a situação do coronavírus no Brasil: “Acabou. A equação brasileira é a seguinte: Ou o País entra num lockdown nacional imediatamente, ou não daremos conta de enterrar os nossos mortos em 2021.”

E, olha, estamos reproduzindo o que disse um conceituadíssimo neurocientista que coordena um importante comitê.

Não é qualquer um…

As declarações do secretário de Saúde de Cícero Lucena podem até não ter causado surpresa, porque desde o início que ele tem demonstrado ser favorável a que tudo volte a funcionar, inclusive as escolas públicas.

Mas que causa profunda indignação a falta de respeito aos necessitados, aos acometidos pela Covid-19 e às famílias enlutadas, disso não há dúvidas.

Cícero certamente tem vontade e competência para fazer uma boa gestão na Prefeitura de João Pessoa. E é o que ele precisa fazer e o pessoense espera.

Mas, infelizmente, começou muito mal num setor que merece a maior atenção de todos os governos, em todo o mundo, pelas circunstâncias caóticas de uma pandemia que a humanidade não enfrentava desde 1918, com a gripe espanhola.

Para finalizar, um conselho ao secretário de Saúde de Cícero Lucena: antes de falar asneira sobre o coronavírus, procure saber quantos pessoenses procuram hospitais com suspeita de contaminação, já contaminados, ou acometidos da doença.

Atente – de forma muito especial – para os números inerentes às mortes diárias…

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      1
      Compartilhe