A Paraíba o tempo todo  |

Análise – O abandono do Parque Parahyba e a cultura de destruir o que os outros fizeram

A situação de abandono do Parque Parahyba, no bairro do Bessa, em João Pessoa, é de doer na alma.

Não conhecia o logradouro, pessoalmente; só ouvia falar, e muito bem por sinal.
Incomodado com a fadiga da clausura imposta pela pandemia, neste domingo (20) fui até para esticar as pernas e ver um pedaço do mundo, cheio de receios, embora muito prevenido contra os riscos de ser contaminado pelo coronavírus.

Saí de lá com a triste sensação de que a Paraíba parece mesmo não ter jeito naquilo que depender do bom senso dos seus gestores, com as honrosas exceções.

Voltei tomado pela sensação de que estamos condenados a uma situação em que sai geração e entra geração, mas o nosso pobre Estado não consegue se desvencilhar da velha cultura do atraso no tocante à necessidade e ao dever imperioso de cuidar bem da coisa pública.

Uma cultura que junta os mais mesquinhos sentimentos, da vaidade à inveja, além de outros ingredientes que nutrem o espírito de porco: o de destruir ou desprezar as coisas públicas, independente de quanto tenha custado aos contribuintes, seja em recursos financeiro seja em sacrifícios.

Coisa do tipo: se não fui eu que fiz, também não ficará de pé para que seus realizadores não sejam lembrados.

O abandono

Não circulei por todo o parque. Mas, basta chegar e já se percebe como aquele excelente espaço público está totalmente entregue às baratas, ao desprezo total.
Aquilo é criminoso. E os responsáveis, sejam eles quais forem e de que lado estejam, merecem uma punição exemplar.

A quadra de esportes está totalmente dentro do mato; um córrego que corta logradouro, de um canto a outro, praticamente sumiu, entupido pelo matagal e por raízes que obstruem o fluxo da água; os equipamentos para exercícios físicos deteriorados, lixeiras destruídas, mato por tudo quando é canto, e gambiarras de tábuas amarradas a fios e barbantes.

Repercussão

De volta à minha principal atividade na pandemia (as mídias sociais), postei no Instagram, grupos de zap, Facebook etc, apenas um pouco do que vi, em formato de vídeos e fotos. A repercussão se espalha na velocidade de um rastilho de pólvora.

Não só se espalhou como propiciou aos seguidores mencionar vários outros casos de abandono do patrimônio público a situação do parque. Foram mencionados, entre outros, o Estádio da Graça, a Estação Ciência, a Praça da Paz.

O pior é que, nos desdobramentos dos comentários, vim a saber que, no dia anterior, um sábado, voluntários zelosos com o parque “guaribada” removendo os excessos.
Imagina, então, como estava antes de eu ir conhecer…

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      16
      Compartilhe