Esta foi a crônica política mais anunciada dos últimos tempos. Os primeiros sintomas do mal-estar – embora tênues – eram notados já após o início da gestão de João Azevêdo.

Mas antes de tudo – e estamos falando, claro, do rompimento político do governador João Azevêdo e o seu antecessor Ricardo Coutinho – quem conhece o estilo dos dois personagens protagonistas dessa história, no mínimo, já imaginava no que ia dar…
Nada disso tem a ver com dissolução de diretório do PSB, traição política, etc, etc.

Nada.

O motivo deste rompimento é o seguinte:

O ex-governador Ricardo Coutinho capitaneou um grande projeto (político e administrativo), fez uma gestão que entrou para a história pelos resultados oferecidos aos paraibanos. Hospitais top, escolas técnicas, interligação de todas as cidades paraibanas que estavam fora do mapa da malha asfáltica. Não adianta, Ricardo fez um dos melhores governos da história da Paraíba, confirmando o que há tinha feito em João Pessoa, quando prefeito.

Onde a coisa se complica

O começo da questão toda é: Ricardo sabe o quanto custou para fazer uma gestão com esse nível de resultado; as brigas que enfrentou, inclusive com poderes e instituições, e o quanto foi importante, para a efetivação desse projeto, se livrar das pressões de políticos habituados a usurpar a máquina administrativa. Até aí, tudo bem, e ele tem razão de sobra.

O começo do problema

O nó começa a não desatar assim: na cabeça de Ricardo Coutinho, para dar continuidade a este projeto, só daria certo um nome da sua mais absoluta confiança e com capacidade. Exatamente por este motivo, ele sacou do bolso do seu colete o nome do seu então supersecretário, João Azevêdo, um técnico do mais elevado nível, um homem de uma conduta absolutamente irretocável, e um nome de uma simpatia maior que ele próprio.

Onde a porca torce o rabo

O grande erro de Ricardo foi achar, à semelhança do que aconteceu antes, com Luciano Agra, na Prefeitura de João Pessoa, que daria certo manter controle das ações do seu sucessor. Não funciona, nunca funcionou, nem vai funcionar.

O próprio Ricardo Coutinho jamais teria realizado a boa gestão que realizou se tivesse sob o controle remoto de quem quer que seja.

O ideal

O ideal não existe. Mas o razoável seria (e faltou um Gervásio Pai para fazer este meio-de-campo) um entendimento nos seguintes termos: João, você toca o governo, naturalmente, porque é o governador; Ricardo Coutinho se encarrega da parte política.
Por ai, teria dado tudo certo e a Paraíba ou, pelo menos os milhões de eleitores que votaram também no projeto, não estariam frustrados. Afinal, se o eleitor soubesse que as coisas tomaria este rumo, teriam votado em João Azevêdo?

Se existe traição nessa história, a traída foi aquela multidão que, numa lapada só, acreditando na continuação e no projeto, guindou João Azevêdo ao governo no primeiro turno.

Reação Girassol

A coluna recebeu, do ex-secretário Fábio Maia, o seguinte texto, sobre o rompimento de João Azevêdo com Ricardo Coutinho:

“Como membro do Partido Socialista Brasileiro, que está realizando um processo de autorreforma histórico diante da crise da democracia representativa neste país, não posso ser omisso com o que vem ocorrendo na Paraíba. Os verdadeiros ataques sempre foram à autonomia do PSB e sua maior liderança política, o ex-governador Ricardo Coutinho. Aqueles que, através de falácias e do discurso falso da Democracia e vitimização traem um projeto que foi aprovado e que trouxe inúmeras mudanças na vida dos Paraibanos e Paraibanas na gestão socialista de Ricardo Coutinho, pensam que usar o poderio da máquina pública em meios de comunicação vai apagar da memória do povo o fato de que traição e ingratidão são os reais motivos de seus interesses. Diante disso, neste momento, reafirmo meu compromisso com o PSB e faço ecoar a fala de nosso Presidente Nacional Carlos Siqueira: “Na política só perdemos o que temos. Fabio Maia”

 

Wellington Farias

PB Agora

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Lei obriga bares e restaurantes a auxiliar mulheres em situação de risco

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, promulgou a Lei 11.536, de sua autoria, que obriga os bares, restaurantes, estabelecimento noturno, entre outros, a adotarem medidas de…

Sertão: idoso que morava sozinho é encontrado morto dentro de rede

O idoso Josemar Soares de Leite, de 71 anos, foi encontrado nesta quinta-feira (5), em alto estado de decomposição dentro em uma rede, em uma residência no bairro Belo Horizonte,…