Por pbagora.com.br

A menos que aconteça algo de muito mais grave do que tudo que já temos visto, é muito pouco provável que o presidente Jair Messias Bolsonaro seja defenestrado do cargo. Esta é uma projeção razoável, pelo menos para os próximos meses.

Apesar de todos os seus crimes de responsabilidade, alguns dos quais, agora confirmados pelo outrora ídolo do “mito” e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, a conjuntura do país, certamente, não permite que um terceiro impeachment em 28 anos. O último ocorreu há quatro anos.

Pandemia

O Brasil, apesar de todas as medidas já tomadas, começa a sofrer os efeitos da pandemia do coronavírus que afeta todo o planeta. Neste cenário, não parece nada prudente e nem sugestivo dar-se início a um processo de impeachment que, além de muito lento, traria mais consequências negativas a uma situação que já descamba para o caos.

O porquê…

Um processo de impeachment tem um caráter jurídico, mas, sobretudo, político. Inevitavelmente, nenhum processo dessa natureza logrará êxito sem o apoio e a cobrança da grande maioria da população do país. Não existe impeachment sem povo.

Desde já, percebemos uma certa insatisfação da população brasileira com o fato de que, a refrega entre Jair Bolsonaro e seu ex-líder e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, suplantou um problema muito mais grave que é a pandemia.

O que o povo brasileiro tem assistido com notória indignação é que o Governo e o Congresso tenham se preocupado muito mais com a disputa entre Sérgio Moro e o presidente Jair Messias Bolsonaro, do que com a saúde do seu povo.

Além de a conjuntura ser imprópria para um processo de impeachment, o presidente Jair Bolsonaro já foi “incumbido” pela ala militar instalada no Palácio do Planalto a cuidar de sua base de sustentação política, sob pena de a situação chegar a tal ponto que o impeachment se torne inevitável e ele não tenha maioria suficiente para evitar um “tchau querido”!

Centrão

Desde domingo em que bolsonaristas fanáticos pinotavam na frente dos quartéis, trajados de verde e amarelo, que o sonho de Bolsonaro de dar uma autogolpe para se tornar um novo ditador latino-americano foi por água abaixo.

Despertados pela barulheira dos frenéticos alienados bolsonaristas, que o Brasil está apelidando de gado, os generais da ativa, imediatamente trataram de avisar ao capitão-presidente que não contasse com as Forças Armadas para o seu projeto tresloucado e impróprio para o momento da vida nacional.

Mais que isso, os generais alertaram Bolsonaro de que ele deveria tocar um governo de realizações e cuidasse de formar sua base sólida no Congresso Nacional.

Foi aí, então, que Jair Bolsonaro abdicou da ideia de fechar Congresso, fechar o Supremo e adotar atos de exceção como vinha planejando.

Descontrole

Por estes dias, o Brasil andou como um barco à deriva. Tanto assim que, ao dar de cara com um batalhão de jornalistas, o vice-presidente da República, general Mourão, ao ser perguntado em uníssono se estava tudo sob controle, Mourão – com notória ironia e um sorriso escorregando pelo canto da boca disparou: “Está tudo sob controle, mas não se sabe de quem…”

 

Wellington Farias

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Justiça suspende lei que proíbe taxa para religação de água em Taperoá

O Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba deferiu pedido de medida cautelar a fim de suspender a eficácia da Lei nº 001/2019 do Município de Taperoá, que dispõe sobre…

Promotoria recomenda criação e regularização de fundo para infância, em Pocinhos e Puxinanã

A Promotoria de Justiça de Pocinhos recomendou aos prefeitos de Pocinhos e Puxinanã, bem como aos presidentes dos Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) dos dois municípios…