Por pbagora.com.br

A advogada Edith Cristina, que participou da trama da falsa denúncia de assédio contra o secretário-geral da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba (OAB-PB), Assis Almeida, divulgou vídeo nas redes sociais, nesta segunda-feira (26), ratificando que tudo foi inventado pela funcionária Lanusa do Monte por “vingança”.

Veja o vídeo

Aliás, em 01 de agosto de 2017, a advogada já havia registrado em cartório Escritura Pública de Declaração revelando que tudo não passou de uma armação da servidora com o envolvimento no esquema do vice-presidente da OAB, Raoni Vita, e da tesoureira Thainá Freitas. Na declaração, Cristina, que é membro do Tribunal de Ética da Entidade, narra toda a armação de Lanusa e explica a razão de haver colaborado com ela na construção do suposto assédio.

Em 30 de outubro de 2017, o caso foi divulgado pelo Portal ClickPB (reproduzida abaixo), que publicou matéria sobre a Escritura Pública de Declaração registrada por Edith Cristina em cartório, com o título: Advogada revela que denúncia de assédio na OAB-PB foi armação.

Na matéria, Cristina conta que Lanusa tornou-se amiga dela por interesse, porque buscava apoio para planejar a acusação de assédio. Disse que Lanusa pediu que ela também afirmasse ter sido assediada pelo secretário-geral e confessou que por amizade se prestou a tal artifício.

Sem desmentido

É importante registrar que desde de agosto de 2017, quando foi registrada em cartório a Escritura Pública de Edith Cristina a senhora Lanusa do Monte não se manifestou até  presente data para negar as declarações da advogada.

Leia na íntegra a Escritura Pública

 

Confira abaixo matéria postada pelo ClickPB:

 

Advogada revela que denúncia de assédio na OAB-PB foi armação

O ClickPB teve acesso com exclusividade a uma Escritura Pública de Declaração onde a advogada Edith Cristina revela que a acusação de assédio envolvendo o secretário-geral da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba (OAB-PB), Assis Almeida, foi inventada pela funcionária Lanusa do Monte por “vingança”.

Na declaração, Cristina, que é membro do Tribunal de Ética da Entidade, narra toda a armação de Lanusa e explica a razão de haver colaborado com ela na construção do assédio. Também descreve um possível interesse político no esquema pelo vice-presidente, Raoni Vita, e pela tesoureira, Thainá Freitas.

Cristina conta que Lanusa tornou-se amiga dela por interesse, porque buscava apoio para planejar a acusação de assédio. Disse que Lanusa pediu que ela também afirmasse ter sido assediada pelo secretário-geral. Confessou Cristina que por amizade se prestou a tal artifício.

Participação na farsa

Por confiar em Lanusa, que a tratava como mãe e era sua confidente, Cristina confessa que, a pedido dela, chegou a admitir ter sido assediada pelo secretário e colaborou com a trama que ela armou para arrancar a confissão da funcionária da OAB Eliane Andrade, “que teria sido assediada por ele há mais de 17 anos atrás”.

Tentativa frustrada

De acordo com Cristina, Lanusa confidenciou haver também tentado, sem sucesso, obter declaração de assédio de Clotilde e Ana, funcionárias da OAB. A primeira porque o secretário, certa vez, deu-lhe carona. A segunda, porque teria trabalhado com o secretário no Governo do Estado, na gestão de José Maranhão.

Possível participação dos diretores na trama

A advogada relatou que Lanusa reconheceu ter “feito besteira” e achava por isso que iria ser demitida, e nesse momento procurou a tesoureira Thainá, que assegurou a ela que ficasse sossegada porque tanto ela quanto Raoni não permitiriam a demissão, porque tinham maioria na diretoria, e que inclusive iria fazer resolução para transferir do presidente para a diretoria o poder de demissão de funcionário da OAB.

Ela relatou, ainda, que Raoni e a tesoureira atraíram Paulo Maia para o gabinete desta última, na Tesouraria, quando Lanusa fez as acusações de assédio, e o marido ameaças ao secretário.

Cristina disse que, na ocasião, propôs a transferência de Lanusa para a Escola Superior da Advocacia – ESA. Mas a sugestão foi passada por Lanusa, porque a medida era de interesse do vice-presidente e da tesoureira, que necessitavam de pessoa de confiança naquele setor.

Revelação da trama

Cristina revelou que, em certa ocasião, perguntou a Lanusa se ela tinha alguma prova ou havia gravado alguma conversa com o secretário. Nesse momento, ela confessou a trama, dizendo que tudo foi armado para evitar a demissão, para ser transferida para a ESA e se vingar do secretário-geral “que lhe tirou de cargo da Presidência sem nenhum motivo”.

Na Declaração Pública está escrito, também, que Lanusa teria dito que seria grata a Raoni e Thayná, porque foram os únicos que lhe deram apoio na acusação contra o secretário-geral, e que prometera a eles que seria uma “guerreira” na campanha de Carlos Fábio para Presidente da OAB.

 

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Notícias relacionadas

Covid: PB registra mais de mil novos casos e 24 mortes nas últimas 24h

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, nesta terça-feira (20), 1.072 casos de Covid-19. Entre os confirmados hoje, 80 (7,46%) são casos de pacientes hospitalizados e 992 (92,53%) são…

DIA DE TIRADENTES: veja o que abre e o que fecha em João Pessoa em 21 de abril

Nesta quarta-feira (21), no dia de Tiradentes, o funcionamento do comércio, shoppings, repartições públicas e Justiça funcionam normalmente em João Pessoa, já que o feriado foi antecipado conforme Medida Provisória…