Por pbagora.com.br

A televisão pública italiana "Rai" decidiu nesta quarta-feira (15) suspender o chargista Vauro Senesi por causa de uma charge sobre o terremoto ocorrido na semana passada na Itália. O desenho recebeu inúmeras críticas, inclusive do primeiro-ministro do país, Silvio Berlusconi.
 

Em comunicado de imprensa divulgado hoje, o diretor-geral da "Rai", Mauro Masi, anunciou a suspensão de Senesi por causa da charge "Aumento da capacidade… dos cemitérios", transmitida em 9 de abril no programa "Annozero", apresentado por Michele Santoro.

No desenho, o chargista relaciona a polêmica gerada pelo "Plano Casa" do Governo italiano (que pretende permitir o aumento da superfície dos imóveis do país para impulsionar a construção civil) com a catástrofe que atingiu a Itália em 6 de abril e que matou 294 pessoas.

A direção da Rai considerou a vinheta "gravemente lesiva" à memória dos mortos pelo terremoto e disse acreditar que vai contra a missão de serviço público que a emissora possui.

Além disso, a Rai advertiu Santoro: "A partir do próximo programa, deve haver o equilíbrio necessário e obrigatório no noticiário, especificamente quanto às informações sobre a região de Abruzzo", a mais afetada pelo terremoto.

Segundo Berlusconi, "a televisão pública não pode se comportar deste modo".

"Annozero" foi uma das poucas vozes na televisão a criticar a reação das autoridades diante do terremoto que afetou a região central da Itália no início do mês.

Censura
O líder do opositor Partido Democrático (PD), Dario Franceschini, também se mostrou contrário ao desenho transmitido em "Annozero", embora, segundo ele, qualquer medida de censura em relação ao programa seja "inaceitável".

Questionado sobre a decisão, o desenhista Senesi respondeu: "Estou ainda em São Petersburgo. A informação se comenta sozinha".

No site pessoal em que divulga a charge polêmica (www.vauro.net), o artista escreve: "Não à censura! Sátira é liberdade!".
 

UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.