Por pbagora.com.br

Ao largo da crise internacional, que no Brasil resultou em fortes cortes na produção da indústria e queda no consumo, a operadora de celular Vivo registrou no quarto trimestre um desempenho bem acima do obtido no mesmo período de 2007. A receita líquida da operadora de telefonia celular subiu 14% no quarto trimestre de 2008, ante igual intervalo de 2007, para R$ 4,268 bilhões, enquanto os custos operacionais avançaram apenas 3,9%, para R$ 2,872 bilhões. A combinação desses dois fatores levou a empresa a anotar um lucro líquido de R$ 215,5 milhões entre outubro e dezembro passados, alta de 722,5%, conforme balanço consolidado divulgado nesta sexta-feira, 13.

 

O presidente da operadora, Roberto Lima, atribui o resultado à "política de seletividade" que vem sendo praticada pela empresa. "Não buscamos novos usuários a qualquer custo: queremos um crescimento saudável da carteira, com clientes que gerem receita", afirmou o executivo à Agência Estado. A Vivo terminou 2008 com uma base de 44,9 milhões de clientes, 20% maior na comparação anual. A empresa também se diz mais seletiva na concessão de subsídios e nos projetos de investimento.

 

A geração de caixa medida pelo Ebitda da Vivo somou R$ 1,396 bilhão, com 42,6% de acréscimo sobre o quarto trimestre de 2007, levando a margem Ebitda a 32,7% – alta de 6,6 pontos porcentuais no período. O resultado financeiro líquido, no entanto, piorou sensivelmente, à razão de 174,8%, ficando no vermelho em R$ 282,8 milhões.

 

Mas o diretor de Relações com Investidores da Vivo, Carlos Raimar Schoeninger, afirmou o principal motivo deste avanço é o custo de carregamento financeiro das licenças que a empresa comprou para explorar a terceira geração de telefonia móvel (3G).

 

Segundo ele, a Vivo faz operações de proteção cambial para todo o estoque de sua dívida denominada em moeda estrangeira, embora a operadora tenha indicado variação monetária e cambial líquida negativa em R$ 35,3 milhões no quarto trimestre de 2008, revertendo o ganho de R$ 6,7 milhões contabilizado um ano antes. As despesas financeiras totalizaram R$ 312,7 milhões, alta de 88,5%, constituindo a principal influência para o resultado financeiro negativo.

 

estadao.com.br

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Concursos oferecem 701 vagas de emprego na Paraíba

Pelo menos 701 vagas são oferecidas em cinco editais de concursos publicados na Paraíba, nesta semana de 17 a 24 de janeiro. Os concursos são oferecidos pela Prefeitura de João…