Se Chico Buarque seguisse cantando os versos de Paratodos? O meu pai era paulista/Meu avô, pernambucano/O meu bisavô, mineiro/Meu tataravô, baiano…? ele chegaria a José Ignácio Buarque de Macedo, um dos patriarcas da família. Na realidade, a árvore genealógica de Chico nasceu da união de José Ignácio Buarque de Macedo, um dos mais poderosos senhores de engenho do nordeste, que se casou com a ex-escrava e analfabeta Maria José Lima. A história está em Buarque – Uma Família Brasileira.
 

Por volta de 1790, Maria José Lima colocou a educação como prioridade na família. O historiador Sérgio Buarque de Hollanda foi seu trineto. Aurélio, Cristovam, Miúcha e Chico Buarque, seus tetranetos e Bebel Gilberto, sua pentaneta. O primo de Chico, Bartolomeu Buarque de Holanda, registrou em dois volumes a história da família que será lançada este mês pela editora Casa da Palavra.

 

 

No primeiro volume, um ensaio com 1.200 páginas, as informações são bem técnicas e procuram descobrir a origem da família Buarque. De acordo com a pesquisa, o número já chega a 10 mil descendentes. No segundo volume, em forma de romance, o autor conta toda a saga da família. Para escrever a obra, o autor disse ter levado 25 anos pesquisando 15 mil documentos. O romance, no entanto, privilegia a história de Maria José Lima que, segundo o autor, soube como poucos valorizar o estudo e a educação. As informações são do Jornal da Tarde.
 

 

estadao.com.br

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Troféu Gonzação faz homenagem a Jackson do Pandeiro e Fagner, em CG

A noite quarta-feira (21) foi marcada por brilho e muita cultura em Campina Grande. A cidade foi palco da 11ª edição do Troféu Gonzagão. O evento marca a premiação da…