Por pbagora.com.br

A Procuradoria-Geral da República instaurou neste domingo (14) um procedimento preliminar para apurar o ato de manifestantes que, na noite de sábado (13), dispararam fogos de artifício em direção ao Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.

A investigação atende a um pedido do presidente do STF, Dias Toffoli, que solicitou ainda que Renan da Silva Sena, apoiador do presidente Jair Bolsonaro, seja responsabilizado “por ataques e ameaças à Instituição deste Supremo Tribunal Federal e ao Estado Democrático de Direito, inclusive por postagens em redes sociais, bem como todos os demais participantes e financiadores, inclusive por eventual organização criminosa, os quais ficam desde logo representados, devendo-se ser adotadas as necessárias providências para a investigação e persecução penal”.

Sena chegou a ser detido na tarde de domingo pela Polícia Civil pelos crimes de calúnia e injúria, após divulgar vídeo com ofensas contra autoridades do STF, do Congresso Nacional e o governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB). Ele foi liberado à noite após assinar um termo de comparecimento em juízo. Para o delegado responsável pelo caso, Giancarlos Zualini, Sena é suspeito de “narrar o vídeo” em que manifestantes lançam fogos contra o STF.

Segundo o jornal “Correio Braziliense”, Sena negou, na delegacia, que tenha ameaçado autoridades, mas confirmou a autoria da narração do vídeo. “Falei que eu entendia que é um governador bandido, que estamos em uma ditadura comunista, mas isso eu já venho batendo. E falei que tinha cobertura comunista do Judiciário, no caso os ministros do STF”, disse Sena, de acordo com a publicação.

No dia 29 de maio, Sena foi indiciado por injúria e agressão contra enfermeiros durante ato realizado por profissionais de saúde, na Praça dos Três Poderes, em memória às vítimas da Covid-19.

O caso em questão ocorreu no dia 1º de maio, ele foi gravado xingando enfermeiras e empurrando uma delas. As agressões ocorreram durante uma manifestação realizada por profissionais de saúde para homenagear colegas mortos pela Covid-19 e a favor do isolamento social.

Sena aparece gritando com os enfermeiros. “Vocês consomem o nosso fruto do suor, nós construímos essa nação”, disse. Na data do protesto, Renan estava ligado a um cargo terceirizado no Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Ele foi exonerado após o vídeo se tornar público.
G1

Notícias relacionadas

629 mil doses da vacina da Pfizer estão previstas para chegar ao Brasil nesta quarta

O Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), recebe, na noite desta quarta-feira (5), a segunda remessa de vacina contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech comprada pelo Ministério da Saúde. O…

Inep define prazo para solicitar isenção na taxa de inscrição Enem 2021

Quem faltou na edição passada deverá justificar ausência também no mesmo período A edição de 2021 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ainda não tem um cronograma oficial divulgado…