Por pbagora.com.br

Ser obrigado a usar um chapéu de burro, trabalhar nas festas de fim de semana como garçom, dançar na boca da garrafa e ganhar rabinho de burro. Este era o tratamento recebido por um empregado terceirizado do Banco Bradesco quando não atingia as metas de vendas dos produtos da empresa. Com base nesta prática, a Justiça do trabalho condenou o banco a indenizar o empregado por danos morais.

De acordo com informações do TST (Tribunal Superior do Trabalho), a ação começou na 4ª Vara do Trabalho de Goiânia (GO). O trabalhador provou que não era um corretor de seguros autônomo, como afirmava o Bradesco, e que havia vínculo de emprego, na condição de bancário, com a empresa.

Com a ajuda de testemunhas, ele também comprovou a existência de “jogos de motivação” promovidos pela chefia que ofendiam a dignidade dos profissionais. Nesta instância, o Bradesco foi condenado a pagar indenização de R$ 40 mil por dano moral.

Outro lado

O banco recorreu ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 18ª Região alegando não ter culpa do ocorrido. Sustentou ainda que a indenização fixada era desproporcional. Mas os desembargadores confirmaram a responsabilidade do banco pela preservação da honra e imagem dos empregados.

O Bradesco conseguiu, contudo, reduzir o valor da indenização para três vezes a última remuneração do bancário. O TRT-GO levou em conta a jurisprudência sobre a matéria e o caráter educativo da punição.

Agencia paraiba

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vocalista do Roupa Nova passa por transplante de medula óssea

Diagnosticado com um linfoma, um câncer no sistema linfático, Paulinho, vocalista do Roupa Nova, passou por transplante de medula óssea autólogo, procedimento em que as próprias células-tronco do paciente são…

CNH digital dá 40% de desconto para pagar multas no app

O aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT) vai oferecer descontos de até 40% para pagamentos de infrações de trânsito pelo app, que passa a incorporar o Sistema de Notificação Eletrônica (SNE), além da CNH…