Por pbagora.com.br

O recente caso de troca de corpos ocorrido no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, no Agreste da Paraíba, após um dos óbitos ser liberado e enterrado por outra família na cidade de Ingá, localizada na mesma região. A troca pode ter acontecido após o reconhecimento realizado pela filha daquele que seria a primeira vítima. Contudo, só foi percebida quando um parente do corpo que havia sido enterrado chegar na unidade para realizar o reconhecimento de uma segunda vítima atribuída à sua família. O caso teria sido identificado no último dia 23.

Segundo Rodrigo Celino, advogado da unidade hospitalar, o caso ocorreu em virtude de uma confusão da primeira família que, segundo ele, autorizou a liberação do corpo errado. “A uma da manhã do dia 21, uma família aparece no hospital pra fazer a identificação e liberação. No primeiro momento em que foi apresentado o corpo, uma filha reconheceu como sendo seu pai e nossa equipe de liberação de corpos procedeu com todo protocolo que a gente tem. O corpo foi liberado e a família seguiu para fazer o enterro na cidade de Ingá”, adiantou.

“Quando a parentes do segundo corpo aparecem no local pra fazer a liberação, foi identificado então que a outra família havia levado o óbito de forma errada. O reconhecimento teria sido feito de forma equivocada. O Hospital de Trauma, no primeiro momento, tentou mediar as duas famílias pra que elas entrassem em um entendimento. Mas, quando a família [que levou o corpo errado] entendeu que era responsabilidade dela trazer o óbito [de Ingá para Campina Grande], comunicando as autoridades competentes, eles se negaram, apesar de reconhecer que o tinha sido feito o reconhecimento equivocado”, completou.

A defesa ainda lamentou o ocorrido e disse que – em função da Covid-19 – a liberação de corpo passa por um processo ainda mais criterioso no Trauma. A primeira Vara de Justiça de Queimada decidiu, por meio de liminar, que o estado tem até cinco dias para fazer o processo de troca dos corpos mediante repetição do reconhecimento. Após isso, os corpos devem ser enterrados corretamente.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ministério Público firma convênio com CG para realização de concurso público

O Ministério Público na Paraíba – por seus ramos estadual (MPPB), Federal (MPF), do Trabalho (MPT) e de Contas (MPC) – firmaram, nesta quinta-feira (6), um Termo de Ajustamento de…