O pontapé inicial para implantação do programa de humanização na rede hospitalar será dado pelo Governo do Estado nesta terça-feira, 20, às 17h00 quando técnicos da Secretaria de Estado da Saúde (SES) estarão apresentando a proposta de trabalho ao corpo dirigente do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, na Capital. O hospital foi selecionado para sediar a primeira etapa do projeto, que será extensivo aos hospitais regionais de Patos, Sousa e Cajazeiras, além do novo Hospital de Trauma de Campina Grande, ambos pertencentes à Rede Estadual de Emergência.

O programa estadual de humanização é uma arrojada iniciativa que vai humanizar a assistência prestada à população usuária da rede pública hospitalar da Paraíba. De acordo com o Secretário José Maria de França, a meta é humanizar o atendimento em todos esses hospitais até o final, de modo a aperfeiçoar a gestão e melhorar o atendimento à população usuária desses serviços. “Aliado ao trabalho de reestruturação que a maior referência hospitalar da rede pública de saúde da Paraíba deu inicio, estaremos mudando seu conceito de acolhimento, na perspectiva de propiciar um melhor atendimento à população”, revela.

Para a médica Lourdes Fernandes de Lima, nova Chefe do Núcleo de Humanização do Estado, o SUS prevê assistência à saúde fundamentada nas seguintes diretrizes – universalidade, igualdade e eqüidade. Prevê, ainda, a hierarquização do atendimento respeitando os princípios de referência e contra-referência nos níveis primário, secundário e terciário.

“No entanto, o retrato do atendimento de emergência e urgência na maioria dos hospitais públicos da Paraíba tem como característica principal a ineficiência, resultando num atendimento de baixa qualidade, longo tempo de espera e acúmulo de pacientes nos corredores e macas”, lembra a médica ao esclarecer que “esses fatos decorrem da desorganização do sistema de referência e contra-referência onde os atendimentos de baixa e média complexidade são desviados das unidades básicas de saúde para as unidades hospitalares sobrecarregando essas últimas”, pontua.

O programa de humanização quer corrigir problemas e distorções existentes na rede hospitalar administrada pelo Governo do Estado. “Começaremos pelo Trauma onde temos o desafio de resgatar seu perfil de atendimento, readequando-o a nova proposta contida na rede de emergência”, informa Lourdes Fernandes de Lima, Chefe do Núcleo de Humanização do Estado.

Para melhorar a procura espontânea será adotado o sistema de Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco, em conformidade com a política do Ministério da Saúde.

Um sistema de triagem por classificação de cores está entre as propostas contidas no projeto desenvolvido pela SES.
 

 

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Brasil tem 64.909 mortes por covid-19 e estudos sobre o vírus avançam

O Brasil tem 64.909 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h desta segunda-feira (6), aponta um levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias…

‘Efeito bumerangue’ nos casos de covid-19 deve ocorrer na Paraíba, afirma coordenador do Consórcio Nordeste

Um alerta dado neste final de semana pelo Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste causa preocupação aos paraibanos é que a Paraíba segundo este comitê poderá sofrer,…