A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou, no sábado (25), o sexto caso de malária. A paciente, moradora do município de João Pessoa, tinha histórico de ida ao município de Conde nos últimos 30 dias e apresentava sintomas sugestivos da doença. Após a realização do teste rápido com resultado positivo, ela foi transferida para a unidade assistencial de referência, o Hospital Universitário Lauro Wanderley (HU), e teve a medicação iniciada.

A gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, pontua que a secretaria vem trabalhando junto aos profissionais do município de Conde e do Ministério da Saúde (EpiSUS), desde o primeiro caso notificado, para implementação de medidas de vigilância da doença que oportunize a identificação dos casos nos primeiros dias com o objetivo de interromper a transmissão.

“Além disso, estamos executando ações de controle vetorial e entomológico, utilizando oportunamente inseticida intradomiciliar em todos os casos confirmados. Realizamos também vários ciclos do UBV pesado, que é o carro fumacê, em todo o município para redução da densidade populacional do mosquito Anopheles”, afirma.
Talita observa que, mesmo com a execução de todas essas ações, um dos pontos mais importantes para interromper o ciclo da doença é a ida ao serviço de saúde daquela pessoa que reside no Conde ou que esteve na cidade no período de 8 a 30 dias anterior à data dos primeiros sintomas.

“Se a pessoa sentiu febre, acompanhada ou não de cefaleia, náuseas, fadiga, anorexia, calafrios, sudorese, cansaço, mialgia e tremores, deve realizar o teste rápido e/ou Exame Gota Espessa para malária e, se positivo, iniciar a medicação de imediato. A medicação é gratuita e disponibilizada pelo Ministério da Saúde por meio da Secretaria de Estado da Saúde”, alerta.

No intuito de descentralizar o atendimento, a SES realizou uma capacitação de coleta da lâmina de Gota Espessa para profissionais de equipamentos hospitalares do município de João Pessoa e região. A qualificação aconteceu em abril e foi ministrada pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB). Talita afirma que é importante lembrar que na ausência de testes rápidos o exame de Gota Espessa deve ser coletado e enviado ao Lacen-PB para leitura. Não existe exame na rede privada para diagnóstico de Malária.

“Quando um equipamento hospitalar, público ou privado, suspeitar que o usuário esteja com malária e não tiver o teste rápido ou profissional capacitado para coletar o exame de Gota Espessa, a unidade deverá acionar a vigilância epidemiológica municipal para que assim seja disponibilizado um profissional do Estado capacitado para coleta do exame e envio ao Lacen-PB”, recomenda.

O município de Conde caracteriza-se hoje com risco potencial de transmissão da doença, cabendo a todos os usuários e visitantes a tomada de medidas de prevenção contra picada de mosquitos como: o uso de calças e camisas de manga longa e de cor clara, uso de repelentes, evitar locais próximos a criadouros naturais dos mosquitos (beira de rios e lagos, áreas alagadas ou coleções hídricas, região de mata nativa), principalmente nos horários da manhã e ao entardecer, por serem os períodos do dia de maior atividade dos vetores da doença, entre 17h e 6h, uso de telas protetoras nas portas e janelas e o uso de mosquiteiros.

PB Agora

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Justiça proíbe reabertura de estabelecimentos no aeroporto Castro Pinto

Uma liminar da Justiça Federal da Paraíba decidiu proibir, na noite de ontem (7), que estabelecimentos comerciais do aeroporto Castro Pinto, na região da Grande João Pessoa, sejam reabertos. A…

Morre irmã de ex-presidente da CMJP com suspeita de Covid

A irmã do ex-vereador e ex-presidente da Câmara de João Pessoa, Tavinho Santos, Tânia Maria Santos Cavalcânti, de 59 anos, faleceu na madrugada desta quarta-feira, com suspeita de coronavírus, em…