Por pbagora.com.br

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, culpou o ex-titular da pasta, general Eduardo Pazuello, pela falta de vacinas da CoronaVac nas cidades brasileiras.

No momento, sete capitais estão com a aplicação da segunda dose do imunizante suspensa pelo desfalque.

Segundo Queiroga, a escassez “decorre da aplicação da segunda dose como primeira dose”. Isso porque Pazuello contraindicou as prefeituras a armazenar injeções para garantir a finalização do esquema vacinal.

A ideia do general era ampliar a imunização com a primeira dose “para dobrar a aplicação”. Assim, as prefeituras vacinariam o respectivo público-alvo com carregamentos futuros, ainda não garantidos, o que não é aconselhado por especialistas.

Isso porque problemas acontecem na produção das vacinas, sobretudo no caso da CoronaVac, que depende de matéria-prima vinda do exterior.

O chamado Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) do imunizante vem da China, onde está sediada a Sinovac Biotech, parceira do Instituto Butantan na fabricação.

Só nesta quinta (6), o Instituto Butantan prevê entrega de mais doses da CoronaVac.

Esse carregamento será de 1 milhão de vacinas. Na outra segunda (10/5), o Butantan prevê entrega de mais 2 milhões de ampolas. Nos dias 12 e 14, mais 2,1 milhões de imunizantes. Ou seja, 5,1 milhões de injeções nas próximas duas semanas.

A situação crítica também atinge as prefeituras de Aracaju, Fortaleza, Porto Alegre, Porto Velho, Recife e Rio de Janeiro.

Fonte: O Globo

Notícias relacionadas

Infectologista alerta para importância da vacinação contra Influenza

Com a campanha de imunização em pleno andamento no Brasil, o médico infectologista e diretor do Hospital Clementino Fraga, em João Pessoa, Fernando Chagas, alertou para a importância da vacina…

Confira quem deve se vacinar nesta segunda-feira (17), na capital

Pessoas com mais de 18 anos que tenham alguma deficiência ou comorbidade prevista, que seja trabalhadora em educação do nível infantil ao fundamental em estabelecimento da Capital e residem no…