Um divisor de água na história da humanidade. Há pouco mais de dois meses o mundo foi surpreendido  pelo novo coronavírus. Desde que a Organização Mundial de Saúde (OSM), declarou o Covid-19 como uma pandemia, a vida das pessoas não foram as mesmas. A pandemia do novo coronavírus impactou todo o planeta e chacoalhou a vida de todo mundo. Isolamento social, medo, solidão, inquietude,  incerteza com o futuro, mudança no ritmo das relações sociais.

O Covid-19 que já matou milhares de pessoas, estrangulou o sistema de saúde pública de muitas cidades, abalou com a economia mundial e levou as pessoas ao inusitado confinamento, inevitavelmente pode afetar a saúde mental das pessoas, com fatores que podem culminar em transtornos como depressão.

Como preservar a saúde mental nesses momentos críticos, visto que à medida que as notícias sobre o surto de coronavírus continuam dominando as manchetes, milhões de pessoas estão de quarentena?. O PB Agora ouviu um especialista na área que deu algumas dicas de como podemos nos comportar para superar o bombardeio de informações e as dificuldades enfrentadas no isolamento social.

Ao abordar o tema “Saúde mental em tempos de pandemia” o psicólogo Gilvan DE Melo Santos, abordou temas como a solidão, oa ansiedade, o medo e as incertezas. Gilvan ressaltou que “neste tempo de pandemia talvez a principal abordagem que pode oferecer uma resposta a esta grande crise sanitária mundial é a Logoterapia.

Criada pelo médico, filósofo e psicólogo vienense, Viktor Emil Frankl (1905-1997), ela afirma que a vida tem sentido e que podemos encontrá-lo através da vivência dos valores criativos ou daquilo que posso dar ao mundo, como o trabalho e a criatividade; através dos valores vivenciais ou daquilo que recebo do mundo, como as amizades, os relacionamentos afetivos com os outros e com Deus (se formos teístas); bem como através dos valores de atitude, que são aqueles valores que realizamos diante de situações limites, como o sofrimento inevitável, um erro grave do passado, gerador de culpa, ou diante da morte”.

No caso específico da pandemia provocada pela Covid-19, o psicólogo ressaltou que “estamos diante de uma situação de sofrimento inevitável e da iminência constate da morte”. Diante deste inimigo invisível, mais do que nunca precisamos realizar valores criativos, vivenciais e de atitude, a fim de encontrarmos sentido em nossa vida, apesar desta crise mundial, nem por isto menos pessoal.

Gilvan Melo que é doutor em Linguística e psicólogo, professor e supervisor de Logoterapia pela Universidade Estadual da Paraíba e coordenador da Especialização em Logoterapia e Saúde da Família, procurou fazer uma relação entre a experiência de Frankl e este tempo de pandemia.

“Podemos inferir que é possível encontrar um sentido na vida, apesar do sofrimento e das mortes de mais de 350 mil seres humanos. É possível nos mantermos íntegros  na dor, realizarmos sonhos no pós-pandemia como Frankl vivenciou” observou.

Segundo ele, se diante do presente o passado nos arrebata, o futuro pode nos salvar. e a exemplo de Frankl que sobreviveu em um campo de concentração, nós podemos ter a possibilidade de encontrar tanto o sentido desta pandemia quanto o sentido em nossa vida, apesar da crise.

Em relação ao conceito de saúde, Gilvam lembra que a Logoterapia apresenta que ela abrange as três dimensões da pessoa: a biológica, a psíquica e a espiritual. Incluindo o aspecto social nestas dimensões, somos uma totalidade na pluralidade.

Para a saúde biológica ele recomenda uma boa alimentação, evitando bebidas alcoólicas, mantendo a regularidade de exercícios físicos (mesmo em casa) e dormir de forma saudável, evitando o uso excessivo de celular e televisão uma hora antes de ir à cama.

Para a saúde psicológica ele ressaltou  que é importante mantermos o hábito de boas leituras, percebendo se tivermos estrutura psíquica suficiente para escutarmos as notícias sobre a Covid-19. Também é importante mantermos a “comunicação existencial” (recheada de afetos ao vivo e online) com a família, consigo mesmo e com os outros. Para saúde espiritual ele recomenda aos que têm fé em Deus, a vivência dos sacramentos online e a oração pessoal e em família; e aos que não a têm a prática da meditação ou da yoga, ou outras práticas benéficas ao equilíbrio biopsicoespiritual.

Para ambos, teístas e ateístas, a vivência da caridade é também uma forma de nos mantermos mais humanos e autorrealizados. Gilvan enumerou ao PB Agora alguns dos sintomas comuns desta pandemia: ansiedade, depressão, solidão, medo, desespero, alienação e saudade.

Como especialista, ele deu algumas sugestões na tentativa de minimizá-los. Sobre a ansiedade, ele sugeriu a criação de uma nova rotina, visto que vivermos um dia por dia,saborearmos cada momento, realizarmos com prazer os serviços de casa ou do trabalho, descobrirmos atividades novas e novos dons artísticos;

Sobre a depressão, ele disse que devemos encontrar o significado pessoal desta pandemia, a fim de que, por exemplo, façamos da realização das nossas tarefas domésticas ou laborais, uma forma de ajudar o outro, tanto os mais próximos quanto os mais distantes. Enxergar o outro é a melhor maneira de tirar o foco em torno de nós mesmos e dos nossos próprios problemas, às vezes até pequenos diante dos problemas dos que mais sofrem.

No que se refere a a solidão, ele aconselha estimular mais a “comunicação existencial”, ou seja, “uma comunicação significativa que promova o encontro”, em detrimento da “comunicação instrumental”, que visa a “manipulação da outra pessoa, a utilidade como fim supremo.

Sobre o medo esse  pode ser evitado diminuindo o contato com as notícias trágicas da televisão e, principalmente, das fakenews, que além de se basear em inverdades, podem promover ações contrárias àquelas recomendadas pela OMS. Entre a negação e a dramatização, o equilíbrio no trato da realidade pandêmica é o melhor caminho.
“Devemos ter precauções sem pânico. Entre a apatia e a empatia: o equilíbrio. Uso da máscara sempre” observou.
Sobre o desespero ele volta  citar Frankl para quem o sofrimento sem sentido é desespero, mas o sofrimento com sentido é realização.

“Para não nos desesperarmos, devemos esperar em Deus e na ciência, mesmo com a possibilidade do processo endêmico da doença, ou seja, da convivência com ela por em média cinco anos”.

Ainda enveredando pelo mundo interior, mas ligando o momento, a fé a ciência e a política, ele afirmou que devemos buscar o equilíbrio entre a fé religiosa e a ciência. Nesse sentido,  fez referência a alienação nesses tempos de pandemia. Nesse caso, cita o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina, por exemplo. Gilvan ressaltou que  deveríamos entender que sem comprovação científica, o seu uso pode ser alienação ou oportunismo e, na trágica hipótese, um caminho para a morte.

“No Brasil, em específico, há, infelizmente, a politização da pandemia. Para completar o nível de instabilidade emocional, temos um péssimo exemplo do Presidente da República Jair Bolsonaro, dando demonstrações do não uso ou uso indevido das máscaras, da quebra do isolamento social e da produção de aglomerações de pessoas”, observou.

O especialista também deu algumas dicas sobre a saudade e ressaltou que para diminui-la é importante a comunicação entre amigos e família através da internet. Nesta pandemia, a maior prova de amor é a distância física.
“Devemos estar juntos, porém distantes. E diante da morte de alguém, o importante é pensarmos no legado passado que esta pessoa deixou. Se não a trazemos de volta, ao menos fazemos do seu legado um tributo à vida”observou.

Severino Lopes
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Saiba como fazer o teste diagnóstico de covid-19 pelo plano de saúde

O exame laboratorial para detecção do novo coronavírus foi incluído pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no rol de procedimentos obrigatórios de cobertura pelos planos de saúde em março,…

PMCG realiza testagem rápida com pessoas em situação de rua

A Secretaria de Saúde de Campina Grande vai realizar nesta quarta-feira, 08, uma testagem rápida com pessoas em situação de rua no Centro da cidade. A ação faz parte da…