Por pbagora.com.br

Após reunião com representantes do Ministério Público, a Prefeitura de João Pessoa, decidiu exigir o título de eleitor como certificação de residência para quem for tomar a primeira dose, podendo ser complementado com outros documentos, como comprovante de residência.

A decisão foi acordada durante audiência promovida pelos três ramos do Ministério Público na Paraíba (Estadual, Federal e do Trabalho) nesta quarta-feira (14) com representantes da PMJP.

Os membros do Ministério Público ressaltaram que a suspensão da vacinação bem como as cenas de aglomeração de idosos vistas esta semana evidenciam a falta de planejamento do município. Eles destacaram ainda que houve a priorização de quem estava tomando a primeira dose da Coronavac em detrimento de quem precisava da segunda.

Os representantes da PMJP reconheceram que houve falhas e explicaram que ocorreu uma demanda maior que o previsto pela segunda dose da Coronavac.

Redação

Notícias relacionadas

Saúde alerta para o crescimento na ocupação de leitos por Covid-19, na PB

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) alerta a população para o crescimento na taxa de ocupação de leitos por Covid-19 na Paraíba, especialmente no sertão. Nesta semana, a Central…

Saúde começa a distribuir novo lote de vacina para municípios da PB

A Secretaria de Estado da Saúde, começou nesta sexta-feira (14) a distribuir o novo lote com 61.250 doses da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca para os 223 municípios da…