Por pbagora.com.br

Anunciado essa semana como o novo Ministro da Saúde, o médico paraibano Marcelo Queiroga, descartou em entrevista à CNN Brasil a possibilidade de lockdowns para conter o avanço da pandemia. Ele ressaltou que lockdowns são utilizados em situações extremas, mas que não podem ser “política de governo”.

Ele afirmou ainda que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) determinou “amplo debate” com a comunidade médica para haver “resultado melhor diante da pandemia”. Queiroga também declarou que não existe terapia contra o coronavírus, mas, defendeu que os médicos tenham “autonomia para prescrever”.

O médico paraibano é o quarto ministro da Saúde no governo Bolsonaro. Os antecessores são: Pazuello, Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta. Teich e Mandetta deixaram o governo após divergências com Bolsonaro sobre formas de lidar com a pandemia.

Marcelo Queiroga é natural de João Pessoa. Formado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba, fez residência em cardiologia no Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro. Tem especialização em cardiologia, com área de atuação em hemodinâmica e cardiologia intervencionista.

Em dezembro do ano passado, Queiroga foi indicado por Bolsonaro para ser um dos diretores da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A indicação ainda não foi votada pelo Senado Federal.
O paraibano foi confirmado ontem como o quarto ministro da saúde na era Bolsonaro. Marcelo Queiroga assume o Ministéria da Saúde no momento mais crítico da pandemia da Covid-19 com recordes de mortes no País.

SL
PB Agora

Notícias relacionadas

Evolução da vacinação contra Covid na PB: confira o que é fato e o que é fake

Não é novidade nenhuma o fato de que a pandemia da covid-19 fez explodir o número de fake news disseminadas a todo o instante sobre a doença em todo o…

Paraíba registra queda de 31% no número de mortes por Coronavírus

Pela segunda vez essa semana, a Paraíba registrou que da mortes causadas pela Covid-19 e entrou na zona azul no mapa divulgado pelo Consórcio de Imprensa. O Estado, que passou…