Os idosos são as maiores vítimas fatais de acidentes de trânsito, representando 36% do total de atropelamentos registrados no País, conforme estudo publicado pelo Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV). Na Paraíba, 18 das 44 vítimas de atropelamento este ano eram idosas. No ano passado foram 98 óbitos por atropelamento, sendo que destes, 26 eram pessoas com 60 anos ou mais, de acordo com o Sistema de Informação sobre Mortalidade.

 

O estudo do ONSV destaca que, por se deslocarem com mais frequência a pé, os idosos estão mais expostos a atropelamentos, mas também se envolvem em outros tipos de acidentes. Os ciclistas representam 28% dos óbitos, seguidos dos condutores de veículos (16%) e motociclistas (6%), segundo dados compilados no estudo, cuja origem é do sistema Datasus.

 

Muitos estados brasileiros apresentam valores muito acima da média – atingindo uma taxa de mais de 70 mortes por 100 mil habitantes idosos. A Paraíba encontrasse em um nível intermediário com 37,03 mortes a cada 100 mil habitantes idosos. Outro ponto levantado é que, além de estarem mais sujeitos a acidentes, os idosos também estão mais sujeitos a lesões graves, que podem levar a grandes períodos de internação hospitalar, assim como lesões permanentes e imobilizadoras.

 

Os acidentes de trânsito acabam representando um fator agravante em doenças previamente adquiridas, além de potencializar outras que não existiam, aumentando a assistência do estado e da família à vítima e a redução do período de vida, tanto de homens quanto de mulheres.

 

Redação

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

SES realiza busca ativa para casos de hanseníase na Grande João Pessoa

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) promoveu, nessa quarta-feira (18), uma mobilização para a busca ativa de casos de hanseníase, na Unidade de Saúde da Família Mario Andreazza I…