A Paraíba o tempo todo  |

App monitora movimento das mãos no celular para avaliar saúde mental

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Pesquisadores do Programa de Pós-graduação em Neurociência Cognitiva e Comportamento (PpgNeC) desenvolveram o software “Neuropesquisa”, um aplicativo que fornece medidas sobre a saúde mental do usuário, de acordo com o movimento das mãos no celular. O app foi criado pelo doutorando Danilo Andrade de Meneses, sob orientação do professor Luiz Carlos Serramo Lopez, no Laboratório de Ecologia Comportamental e Psicobiologia, do Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN), no Campus I, em João Pessoa.

O software está disponível na Play Store, de forma gratuita, para o sistema Android. De acordo com o doutorando Danilo Meneses, a forma de digitar no smartphone pode demonstrar comportamentos depressivos, estressores ou oscilantes no parâmetro “humor”, o que pode contribuir para diagnósticos de depressão, ansiedade e transtorno bipolar.

A intenção dos pesquisadores é que o invento possa se tornar uma ferramenta de telemedicina. O professor Luiz Lopez contou que o aplicativo consegue oferecer informações sobre o estado de estresse do corpo de uma pessoa à distância.

“Para isso, usamos os próprios sensores do celular, que o usuário autoriza, antes de responder alguns questionários. O aparelho vai captando informações sobre como a pessoa está se sentindo naquele momento. Com isso, temos uma ideia, sobre o estado emocional daquele indivíduo”, explicou o docente.

Ao abrir o aplicativo, o usuário aciona os dados do acelerômetro e giroscópio, que ficam dentro do dispositivo móvel. Depois disso, ele vai preenchendo as perguntas e os movimentos que ele faz no celular são os dados de interesse da pesquisa.

“Será que pessoas muito estressadas movem o celular ou digitam de uma determinada forma? Será que pessoas depressivas movimentam o celular de outra maneira? Por meio do tempo de reação deles, vamos saber se esse movimento corresponde a tipos de informação emocional, como o estresse, depressão, ansiedade e criatividade”, explicou Danilo Meneses.

Ao finalizar, o software pergunta se, ao responder, o usuário estava em pé, sentado, ou em algum local em movimento. “A postura e a forma de caminhar também são sinais de comportamentos sociais. Se a pessoa responde no carro, isso pode interferir quando a gente for entender o movimento da pessoa no celular”, relatou Danilo.

A identificação de um padrão de comportamento por meio do uso frequente de um aparelho digital é chamado de fenótipo digital, que é uma característica própria do usuário. O fenótipo digital fala sobre características cognitivas de um indivíduo que são expressas no uso de máquinas digitais.

Para Luciana Nascimento, servidora pública que usou a tecnologia, o aplicativo feito pela UFPB é bem completo e as perguntas são de fácil compreensão. “Demanda um tempinho para preencher, mas acredito que seja para ter qualidade nos dados obtidos. Além disso, o ponto mais importante é que vai poder ajudar a pesquisa científica neste país”, disse.

Com os resultados, os pesquisadores esperam contribuir para um futuro aplicativo que possa fornecer um diagnóstico introdutório. “Esperamos que as pessoas possam ter um parâmetro. Se a sua saúde mental aponta para um viés positivo ou negativo”, enfatizou o doutorando.

app passou um ano para chegar à sua versão final, e até o momento conta com 71 downloads. Também participaram de seu desenvolvimento o professor Douglas Andrade, do Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), e Raymundo Martins, aluno da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FAFIC).

Durante a pandemia, o Laboratório de Ecologia Comportamental e Psicobiologia vem desenvolvendo meios para suprir a demanda por experimentos em neurociência cognitiva, com a captação de sinais psicofisiológicos de forma virtual.

No dia 26 de agosto, o laboratório vai oferecer o curso mindfulness e criatividade, de forma gratuita, por meio do perfil no Instagram: criatividade plena.

Foto: Divulgação

Como funciona

Ao entrar no aplicativo, o usuário gera um nome fictício e concorda com os termos para divulgação e participação. Em seguida, ele deve preencher o questionário sociodemográfico.

Em seguida o app oferece duas opções: ir para os questionários ou fornecer um depoimento. O botão do depoimento foi pensado como uma opção adicional, caso o usuário use o aplicativo pela primeira vez, ele só terá disponível o botão “questionários”, seguindo direto para as escalas (questionários).

As escalas colocadas no aplicativo foram: “abertura e experiência”, “criatividade”, “mindfulness”, “estresse, ansiedade e depressão” e “satisfação com a vida”. Elas estão divididas em 130 perguntas, curtas e de fáceis respostas.

“Precisamos de 200 pessoas para preencher a pesquisa e validar a escala de criatividade, pois não temos ela em português do Brasil. Como a criatividade é um fator importante para minha pesquisa, a gente está fazendo esse processo de validação”, destacou Danilo.

Ascom UFPB

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe