O deputado estadual Wilson Filho (PTB) anunciou que irá recorrer da decisão da juíza Flávia da Costa Lins Cavalcanti, da 1ª Vara da Fazenda Pública da Capital, que isentou o Manaíra Shopping de cumprir a Lei Estadual nº 11.504/2019, que garante 20 minutos de carência nos estacionamentos de shoppings, universidades, hospitais e qualquer entidade pública ou privada que cobre pelo uso de estacionamentos.

Ele afirmou que o argumento da juíza para conceder a liminar, de que leis que versam sobre propriedade privada são de competência da união, não tem fundamento, pois a lei trata sobre direito do consumidor – seara que é de competência das assembleias legislativas. Ele lembrou que a assessoria jurídica da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) e a Procuradoria-Geral do Estado, que recomendou ao governador João Azevêdo a sanção, é de que a lei é constitucional.

“Em nenhum momento falamos de gratuidade, mas de direito do consumidor. O próprio judiciário paraibano tem vasta jurisprudência, sempre ressaltando a relação de consumo quando o assunto é a guarda do veículo. Quando você estaciona, o estabelecimento assume o ônus da guarda do carro e qualquer dano é passível de demanda jurídica. Estamos tratando, portanto, de direito do consumidor, que é uma prerrogativa da Constituição Federal. Quando colocamos o prazo de 20 minutos, é para quem não utilizou o serviço. Qual é o fundamento comercial de um estacionamento de um estabelecimento? Guardar o seu veículo. Se você entrou no estacionamento e não estacionou ou até queria, mas não achou vaga, é muito abusiva a cobrança da taxa”, destacou.

Wilson Filho, que é presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor, lembrou que em todo o Brasil existe carência em estacionamentos pagos de empreendimentos, seja por lei municipal ou estadual, firmamento de termo de ajustamento de conduta (TAC) entre Ministério Público, estabelecimentos e Executivo ou por iniciativa voluntária dos empresários, que entendem a importância da carência para uma prestação de serviço melhor para os consumidores.

Validade da lei

O parlamentar ressaltou que a decisão judicial se aplica apenas ao Manaíra Shopping e que os demais estabelecimentos: universidades, hospitais, supermercados, aeroporto etc. continuam obrigados a cumpri a lei sob pena de multa de R$ 1.500 por cada cliente que teve o direito tolhido.

“Aqueles que percebam que em algum local a lei não está sendo respeitada, procure-nos nas redes sociais, procure a ouvidoria da Assembleia, ligue para o 151 do Procon estadual para que ele possa fiscalizar e multar os infratores”, informou.

 

Redação com Assessoria

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vené anuncia emenda de R$ 1,3 mi para compra de Tomógrafo em Picuí

Veneziano anuncia em Picuí emenda de R$ 1,3 milhão para aquisição de Tomógrafo e mais R$ 200 mil para o Hospital Regional O senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) participou…

De olho na PMCG: Tovar defende que Romero defina nome no começo de 2020

Pré candidato a prefeitura de Campina Grande, na sucessão do prefeito Romero Rodrigues (PSD),o deputado estadual e secretário de Planejamento de Campina Grande, Tovar Correia Lima (PSDB), disse que só…