Por pbagora.com.br

O portal PB Agora vem a público informar que se trata de uma fake news (notícia falsa) um panfleto apócrifo que está circulando na cidade de Cuité, nesta última semana das eleições.

A empresa – já consolidada no mercado de comunicação paraibana há mais de 10 anos – esclarece que não é responsável pelo conteúdo do panfleto, tampouco por sua circulação e, assim como os leitores, também foi surpreendida pelo uso indevido de sua marca com fins puramente eleitoreiros às vésperas da realização do pleito.

Tão logo soube da circulação do noticiário falso, o portal acionou o corpo jurídico para tomar as providências cabíveis.

O portal PB Agora ratifica seu compromisso com o bom jornalismo e sobretudo com a verdade, ao tempo que reforça que atos relacionados à criação, à divulgação e à disseminação de informações falsas podem ser enquadrados em pelo menos oito artigos do Código Penal e um do Código Eleitoral, com penas que vão desde a aplicação de multas até a prisão e a perda de direitos políticos.

CONFIRA O PANFLETO APÓCRIFO

Leia, abaixo, alguns trechos extraídos das orientações que relacionam as fake news a crimes previstos nos códigos Penal e Eleitoral:

A publicação de notícia sabidamente inverídica (fake news) no intuito de ofender a honra de alguém poderá caracterizar um dos tipos penais dos arts. 138, 139 e 140, todos do Código Penal, cumulados com a majorante do art. 141, III, do Código Penal, a depender do caso concreto;

  • a veiculação de fake news, quando o agente visa dar causa à instauração de procedimento oficial contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente, poderá configurar o delito de denunciação caluniosa, tipificado no art. 339 do Código Penal, sendo que presente a finalidade eleitoral o crime será o do art. 326-A do Código Eleitoral;
  • de acordo as circunstâncias do caso concreto, a conduta de disseminação de notícias falsas poderá estar tipificada no art. 286 do Código Penal (incitação ao crime), no qual o agente induz, provoca, estimula ou instiga publicamente a prática de determinado crime;
  • na eventualidade de a publicação sabidamente falsa (fake news) ser veiculada por meio da rede mundial de computadores (seja em redes sociais ou em navegadores de internet) mediante link com código malicioso para a captação indevida de dados da vítima, invadindo dispositivo informático alheio, o agente poderá incorrer nas penas previstas para o crime do art. 154-A e seus parágrafos do Código
  • Penaldisseminar tais notícias falsas (fake news) envolvendo especificamente a pandemia e a emergência de saúde pública que estamos vivendo, caso não se enquadre em nenhuma das figuras típicas específicas citadas em epígrafe, poderá configurar ainda a contravenção penal do art. 41 da LCP: “Provocar alarma, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto”.

Portanto, a situação das Fake News modificou a responsabilidade de todos na internet, obrigando-os a conferir a informação antes de publicá-la ou compartilhá-la.

O único jeito possível se eximir de qualquer responsabilidade é não compartilhando, ou seja, se não for verificada ou não for possível verificar a veracidade da notícia, deve-se nunca compartilhá-la.

 

PB Agora

 

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em rede social, Maranhão diz que “Nilvan reflete o novo e o povo”

José Maranhão, presidente do MDB na Paraíba, partido que disputa o 2º turno em João Pessoa com o candidato Nilvan Ferreira, usou seu perfil numa rede social para para expressar…

Banco da Retomada citado por Nilvan conta com recursos que não existem; veja

O candidato à Prefeitura de João Pessoa pelo MDB, Nilvan Ferreira, tem como uma das principais propostas do seu plano de governo a criação do Banco da Retomada que propõe…