Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) passaram o dia ontem envolvidos em uma “operação panos quentes”. Um dia depois do bate-boca no plenário da corte entre o presidente Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, os ministros “bombeiros”, como Carlos Ayres Britto e Ricardo Lewandowski, conseguiram firmar uma trégua.

No dia anterior, ao fim da sessão, Mendes e Barbosa discutiram rispidamente. O presidente do tribunal disse que o colega não “tinha condições de dar lição a ninguém”. Em resposta, o colega afirmou que Mendes “está destruindo a Justiça do País” e afirmou que não deveria tratá-lo como um de seus “capangas do Mato Grosso”.

Nos termos do pacto, os ministros fizeram questão de deixar claro que ambos, Barbosa e Mendes, erraram. O primeiro por se exceder e ter reações “inadmissíveis”, e o presidente do STF por não ter evitado o confronto com um colega. Após a sessão plenária, o esforço foi de não dar apoio a um dos lados.

Barbosa cancelou uma viagem ao Rio Grande do Norte para ficar na cidade e digerir, nas conversas com ministros, a crise da quarta-feira. Mendes, por sua vez, foi à Câmara e negou a existência de crise.

ARTICULAÇÃO

Na prática, a operação de conciliação institucional começou na noite de quarta-feira, com uma reunião de três horas, a portas fechadas, entre oito ministros.Três deles – Cezar Peluso, Eros Grau e Carlos Alberto Menezes Direito – tiveram a ideia de propor a redação de uma nota. Britto e Celso de Mello foram ao gabinete de Barbosa para saber o que ele pretendia fazer. Barbosa disse que falaria na sessão marcada para ontem, assumindo ter se excedido ao dizer a Mendes que não deveria ser tratado como “um dos seus capangas”.

A sessão acabou cancelada, até porque um dos processos da pauta, o inquérito contra o senador Valdir Raupp (PMDB-RO), por pouco já não acabou em bate-boca entre Mendes e Barbosa em fevereiro. Diante do cancelamento e da gravidade do bate-boca, os ministros concordaram em divulgar a nota.

VERSÕES

A primeira versão da nota, favorável a Mendes, não agradou. Alguns ministros ameaçaram não assinar o texto, que citava até mesmo o impeachment de Barbosa. Após três horas de discussão, uma nota de apenas três linhas foi publicada – um texto protocolar, explicou um ministro ao Estado. A intenção foi cumprida: defesa da instituição, não de uma das partes.

Para evitar a interpretação de que a nota dava salvo-conduto para a postura de Mendes e deixava Barbosa isolado no tribunal, Britto e Lewandowski o levaram ontem para conversar num restaurante. Barbosa fez questão de dizer que não deixará o tribunal.

O ministro não sai do STF enquanto não assumir a presidência da corte – o que ocorrerá após as gestões de Peluso e Britto. Ele também assumirá em 2010, a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na quarta-feira, quando os ministros voltam a se reunir no plenário, Barbosa não estará presente e não será possível medir o sucesso da trégua. Ele estará em São Paulo para se submeter a tratamento médico. Há anos o ministro reclama das dores na coluna. Em fevereiro ele pediu licença do TSE.
 

Estadão

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Quem está doente quer contar com todas as possibilidades de cura”, diz líder Efraim sobre lei que agiliza importação de EPI’s

Favorável à proposta que agiliza a importação e distribuição de medicamentos e equipamentos contra a Covid-19 já liberados para uso em outros países, a bancada do Democratas na Câmara comenta…

João diz que não está preocupado com eleições: “Prioridade é salvar vidas”

O governador João Azevêdo disse, agora há pouco, antecedendo a Live que fará às 18h00 deste domingo em seus canais nas redes sociais, quando irá detalhar os novos decretos e…