O Movimento dos Sem-Terra (MST) e outras organizações similares conseguiram montar ao longo dos anos – com o apoio de aliados em associações e cooperativas de assentados da reforma agrária – uma intrincada e ampla rede de captação de recursos públicos. Espalhada por todo o País, ela é tão intrincada e tão ampla que sua fiscalização se torna cada vez mais difícil.

O controle dos repasses de verbas públicas, como exigiu na semana passada o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, para evitar que, em vez de serem utilizadas na melhoria dos assentamentos, sejam desviadas para financiar invasões de terras e atos de violência, não é fácil. Um exemplo disso é o que vem acontecendo com o Tribunal de Contas da União (TCU).

A instituição redobrou nos últimos anos os cuidados com a análise das prestações de contas das grandes associações e confederações da reforma agrária ligadas ao MST. O esforço resultou na detecção de tantas irregularidades que o governo se viu obrigado a suspender o repasse de recursos para as principais delas.

O pior caso foi a da Associação Nacional de Cooperação Nacional (Anca), cujas instalações servem como base de apoio operacional do MST em diversas partes do País. Após receber quase R$ 17 milhões entre 2004 e 2006, a Anca passou os dois últimos anos à míngua, sem receber nada dos cofres públicos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Galdino alega desconhecer novo pedido de impeachment na ALPB

Em entrevista nesta terça-feira (18), o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Adriano Galdino (PSB) disse desconhecer a existência de um suposto  novo pedido de impeachment contra o…

Opinião: se achando acima da lei, deputado Walber Virgolino faz ameaça a este colunista

O deputado estadual Walber Virgolino (Patriotas) é aquela pessoa do bem, mas confunde a prerrogativa de delegado de polícia, profissão, diga-se, muito honrada, com a de homem público, infringindo, no…