A ex-senadora Marina Silva e o presidente do PSB e governador de Pernambuco Eduardo Campos se reúnem nesta quinta-feira (10) em São Paulo para desenhar a geografia dos palanques regionais que a dobradinha terá em 2014. O foco da Rede Sustentabilidade, partido ainda informal criado pela ex-senadora, é pressionar o PSB para que a legenda de Campos mude a rota estratégica que vinha discutindo nas alianças estaduais. "Havia estados em que o PSB estava em uma rota de coalizão e estamos discutindo candidaturas próprias", afirma o coordenador da Rede, Bazileu Margarido.

A proposta da equipe de Marina será pela construção de chapa para disputar os executivos estaduais em estados com mais votos, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. "Em estados mais populosos e com peso eleitoral maior é importante ter candidato", diz Margarido.

Em São Paulo, o PSB negocia uma coligação com o governador Geraldo Alckmin (PSDB). O nome do deputado Márcio França chegou a ser cotado como vice. A Rede, entretanto, tenta articular o nome do deputado Walter Feldman na eleição paulista.

Integrantes da Rede e do PSB se debruçaram sobre o mapa brasileiro na última terça-feira (8) para observar os estados onde pode haver entendimento e conflito. "Foi uma reunião para começar a fazer um balanço. Estamos juntos na coligação nacional e vamos discutir os Estados caso a caso para construir um caminho", diz o coordenador de Organização da Rede, Pedro Ivo Batista.

Há discordâncias em regiões como o Distrito Federal, onde o PSB trabalha uma candidatura do senador Rodrigo Rollemberg, conflitando com o marineiro José Antônio Reguffe (PDT), que acabou permanecendo em seu partido de origem.

Reguffe já começa a considerar como plano B disputar uma vaga no Senado, com ou sem o apoio de Marina. O discurso do coordenador da Rede é de que haverá apoio incondicional ao nome de Reguffe. “A Rede vai apoiá-lo ao que ele quiser”, diz Batista.

No Rio de Janeiro, o novo integrante do PROS Miro Teixeira entra na conta da Rede como um nome que pode vir a ser apoiado em 2014. "O Miro é um nome forte e é nosso amigo", diz Margarido.

Outra soluções devem demandar um apoio isolado de Marina. É o caso da ex-senadora Heloísa Helena (PSOL-AL), que se preparava para disputar um retorno ao Senado pela Rede. Ela é desafeto do PSB alagoano, o que exige empenho redobrado de Marina. "A Heloísa é amiga da Marina e da Rede e vamos pensar em como fazer (para dar apoio)", diz Batista.

Ig

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em emenda, Maranhão sugere adiamento de eleição de outubro para dezembro

O senador José Maranhão (MDB) visando não prejudicar o “calendário eleitoral” sugeriu, através de emenda à Constituição, o adiamento das eleições municipais deste ano para dezembro. De acordo com a…

Vereador Humberto Pontes troca comando do Avante pelo PV

Mais uma troca partidária entre os vereadores de João Pessoa ocorreu nessa sexta-feira, dia 03, véspera de encerramento do prazo de filiações. O vereador e presidente do Avante em João…