A notícia sobre a preferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo deputado Antonio Palocci (PT-SP) para o governo de São Paulo em 2010 levou dirigentes do PT a se esforçarem ontem para desmontar a imagem de que o Planalto baterá o martelo na questão. Em meio a um clima de que direção partidária foi atropelada, petistas aproveitaram um seminário da corrente Novo Rumo para o PT para investir no discurso de que é cedo para uma decisão.

O Estado revelou ontem que Lula mandou um recado claro a petistas de que quer Palocci na vaga em 2010. A manifestação foi feita num diálogo com o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) no Aerolula, presenciado por ministros e assessores. “Acho bom que haja um debate prévio sobre diagnóstico e programa de governo. E, depois, fazer a discussão em torno do nome”, disse o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (PT-SP). “Inverter a ordem é empobrecer o debate.”

Palocci, um dos palestrantes, evitou a imprensa e se ateve ao tema da crise ao discursar. Reservadamente, entretanto, o ex-ministro da Fazenda mostrou-se preocupado com a repercussão da notícia. Ele aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal no caso da quebra do sigilo do caseiro Francenildo dos Santos Costa.

Já Mercadante usou seu discurso para explicar a presença de seu nome no noticiário. Confirmou a conversa com Lula, mas minimizou: “O presidente vai ouvir a direção partidária”, disse, acrescentando que existem outros nomes além de Palocci, como a ex-ministra Marta Suplicy e o prefeito de Osasco, Emidio de Souza. “Não é pela imprensa que a militância vai saber quem é o candidato.”

Também presente, Marta endossou o nome de Palocci. “Sou uma das que acham que o Palocci seria um bom candidato. Existe um certo consenso do PT entre os nomes que poderiam ser candidatos mais fortes e o Palocci, neste momento, parece ser o nome mais interessante para todos nós”, afirmou.

A fala da petista condiz com a estratégia comandada nos bastidores por seu grupo político. Em troca do apoio a Palocci para concorrer ao governo paulista, aliados da ex-ministra dão como praticamente certo que ela terá também o endosso dele se quiser concorrer ao Senado, por exemplo, ou pleitear a coordenação da campanha da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff ao Planalto.

estadao.com.br

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vené desatrela política do lado pessoal em candidatura de Ana Cláudia à PMCG

O senador Veneziano Vital do Rêgo destacou a história da sua esposa, Ana Cláudia na gestão pública como atributo fundamental para a sua pré-candidatura e desatrelou qualquer questão pessoal pelo…

Opinião: Virgolino age como cangaceiro e defende violência como forma de intimidação

As declarações infelizes do deputado estadual Walber Virgolino (Patriotas) sobre se esteve ou não envolvido em uma confusão na dispersão de um bloco carnavalesco ligado ao Projeto Folia de Rua…