Enquanto o ex-tesoureiro Delúbio Soares articula seu retorno ao PT, o partido ainda se esforça para tapar o buraco que restou em suas contas após a passagem dele pela Secretaria de Finanças. Decorridos quase quatro anos do escândalo do mensalão, o Diretório Nacional do PT ainda está às voltas com uma dívida de R$ 43 milhões. Desse total, pelo menos R$ 28 milhões foram herdados da gestão Delúbio.

A metade dessa herança do ex-secretário se refere a empréstimos contraídos no Banco Rural e no BMG. Os outros R$ 14 milhões são de uma dívida com a Coteminas, relativa à compra de camisetas para a campanha eleitoral de 2004. O problema já foi maior. Em 2005, a dívida do PT superava R$ 50 milhões. De lá para cá, o partido quitou parte das dívidas, entre elas um leasing com o Banco do Brasil, para a compra de computadores.

Apesar da redução, o rombo ainda é exageradamente grande, admite o sucessor de Delúbio na secretaria, Paulo Ferreira. “O partido ainda gasta além da conta”, reclama o tesoureiro. Ferreira ressalta que a saúde financeira do PT já é melhor que a de 2005: “O partido tem hoje uma situação funcional ajustada.” Ainda de acordo com suas explicações, a dívida foi inteiramente renegociada e o partido só gasta o que pode pagar.

G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Nova casa: Durval Ferreira se prepara para chegar ao PL com ‘status’ de general

De malas prontas para trocar de partido, o vereador licenciado Durval Ferreira migrará para uma nova casa partidária – o PL (Partido Liberal) – com direito a um ‘status’ de…

Análise: clã Cunha Lima inicia “ensaio” para voltar ao Governo da PB com Pedro

O protagonismo político do clã Cunha Lima na Paraíba foi, de certa forma, sepultado com a amarga derrota do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) que, no pleito de 2018, em…