Com o falecimento trágico do apresentador Antônio Augusto de Moraes Liberato, o Gugu, aos 60 anos de idade, após sofrer um acidente doméstico, o deputado federal Wilson Santiago (PTB) reforça a importância da aprovação do Projeto de Lei 5368/2019, de sua autoria, que torna presumida a doação de órgãos, tecidos e partes do corpo humano por pessoas que não expressaram, em vida, o desejo de não serem doadores. Gugu era doador e seus órgãos ajudaram pelo menos 50 pacientes.

“Este projeto dará ao Brasil uma contribuição muito grande porque autoriza o uso de órgãos de qualquer cidadão ou cidadã que venha a falecer para salvar vidas. Tem muitas pessoas doentes esperando doadores em muitos dos hospitais espalhados pelo Brasil”, afirmou.

Com o projeto, será criado o Cadastro Nacional de Pessoas Não Doadoras (CNPND), no qual as pessoas que não desejam ser doadoras devem se cadastrar para deixarem expressa a vontade de não terem seus órgãos retirados para curar enfermidades e salvar vidas de outras pessoas.

O projeto prevê ainda que, após a inclusão no CNPND, os não doadores deverão incluir na Carteira de Identificação Civil (RG) e na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a informação de que não são doadoras.

 

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: advogados eleitorais preparam propostas para TSE, Congresso e Executivo

A crise provocada pelo Covid-19 coincidiu, no Brasil, com o ano eleitoral, o que trouxe desafios inéditos não apenas ao sistema de saúde, mas também à democracia no país. Com…

Análise: Bolsonaro desafia Constituição, ameaça ministros, põe em risco país e mima filhos envolvidos no “gabinete do ódio”

Não há dúvidas. O Brasil vive, hoje, dois problemas de graves proporções. O primeiro está na figura controversa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que, ao contrário de todos os…