O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na noite desta quinta-feira (29/8), que indultos de fim de ano serão dados a “policiais presos injustamente”, que teriam sido condenados por “pressão da mídia”.

A assinatura do documento seria feita “com caneta Compactor porque a Bic é francesa”, falou rindo o presidente em live transmitida pelo Facebook, ao sugerir um boicote à França.

O presidente ainda chamou o dinheiro oferecido pelo presidente francês, Emmanuel Macron, para combater incêndios na Amazônia de “esmola”. “O Brasil vale muito mais do que 20 milhões de dólares”, afirmou. “O Macron me acusou de mentiroso, colocou em jogo a nossa soberania sobre a Amazônia”, completou.

A tensão entre os dois países começou quando o presidente francês, Emmanuel Macron, criticou a forma como Bolsonaro está lidando com as queimadas na Amazônia. Depois de o presidente brasileiro ofender a primeira-dama francesa com um comentário em uma rede social, Macron declarou que “espera que brasileiros tenham presidente à altura do cargo”. Com isso, Bolsonaro disse que só aceitaria o dinheiro francês com um pedido de desculpas de Macron.

Bolsonaro ainda disse que verbas que vêm de outros países acabam indo para ONGs, e que na opinião dele, “o problema não é desmatar é desmamar esse pessoal”.
Terras indígenas em pauta
Na mesma oportunidade, Bolsonaro voltou a falar da demarcação de terras indígenas. De acordo com o presidente, hoje 14% do território nacional recebe essa classificação e que, se ele atendesse a todos os pedidos que existem, esse número subiria para 20%. “A agricultura vai ficar inviabilizada. Eu não vou usar minha caneta, a não ser que seja obrigado, para demarcar mais áreas”, decretou.

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que estava ao lado do presidente, acrescentou que as demarcações já existentes precisam ser revistas. “Essas demarcações merecem todas ser revistas porque existem provas de fraudes”, disse.
Imprensa como inimiga
Boa parte da live foi dedicada a críticas à mídia. De acordo com Bolsonaro, a imprensa “potencializa” e muitas vezes “mente”. Entre as críticas do presidente, está a derrubada do veto pelo Congresso Nacional à lei da fake news nesta quarta-feira (28/8). O veto ocorreu em junho, quando a Lei nº 13.834/2019, que atualiza o Código Eleitoral, chegou à mesa do presidente da República e aumenta para até oito anos a pena para quem propaga notícias falsas em eleições.

Para Bolsonaro, não há sentido na pena estabelecida pela publicação de notícias falsas por cidadãos e porque os erros de jornalistas não são punidos da mesma forma. “A imprensa vive errando porque o repórter não pode pegar oito anos de prisão?”

De acordo com ele, “acontece” da pessoa enviar uma notícia que não seja verdade. “Um clique você pega uma pena maior do que um ‘teco'”, afirmou comparando a propagação de fake news com um homicídio.

Confira o vídeo

– Live de Quinta-feira – 19:00 – (29/08/2019) – fatos da semana.. Link no YouTube: https://youtu.be/SN97dJcS4FM

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Thursday, August 29, 2019

Redação com Correio Braziliense 

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Senado vota brecha para aumentar dinheiro público em campanha

Os senadores devem votar nesta semana uma proposta que abre brecha para o aumento do fundo eleitoral, que financia as campanhas políticas. Para valer nas eleições municipais de 2020, o…

Frei Anastácio solicita informações a Bolsonaro sobre a privatização de 17 empresas

O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) enviou requerimento, com pedido de informação ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, solicitando informações sobre o anúncio feito pelo Presidente da República, em…