As mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, reveladas pelo site The InterceptBr, que denotam combinações impróprias nas investigações da Lava Jato, apenas vêm confirmar uma desconfiança quase geral e a certeza de alguns poucos: a pretexto de combater a corrupção, a tal operação, uma cópia embaçada da “Mãos limpas” da Itália, era apenas um instrumento político para pavimentar o retorno da tucanada (PSDB) ao Palácio do Planalto e sepultar de vez a possibilidade de o PT voltar ao poder, mesmo que, para tanto, tivesse que meter Lula na cadeia a qualquer preço.

Nos buxixos dos bastidores da política e nas mesas de boteco, não raro se dizia que nesse projeto, o nome escolhido para voltar ao Planalto seria Aécio Neves ou, não podendo sê-lo, Geraldo Alckimin.

A propósito, observe-se o comportamento da Lava Jato com relação aos tucanos. O próprio Aécio Neves, flagrado em falcatruas, e que continua solto com o mandato de deputado federal, no auge das investigações da operação foi visto e fotografado aos cochichos e gargalhadas com o xerife da Lava Jato, Sérgio Moro, já àquela altura festejado pela direita brasileira como herói nacional. Uma imagem que causou indignação e percorreu o mundo.

Para munir-se da credibilidade necessária, a Lava Jato, ao que tudo indica, adotou como pretexto o discurso do combate à corrupção e de passar o Brasil a limpo. A maioria do povo brasileiro cansada de desmandos e falcatruas na vida pública, não só acreditou como apostou todas as suas fichas na Lava Jato, como uma panaceia anticorrupção. E foi aí que a porca torceu o rabo. A Lava Jato, pressionada pela sociedade, parece ter passado do ponto e ido além de sua verdadeira intenção. De modo que no rastro dessa onda de limpar o Brasil, a própria tucanada foi desmoralizada, embora o doutor Moro tenha feito sempre vista grossa a tudo aquilo inerente aos erros do PSDB.

Na sequência, o que se viu foi um cenário político desolador – a credibilidade das instituições desmoronando, a classe política completamente desacreditada e um horizonte bastante promssor para os aventureiros políticos de plantão, como sempre acontece nas fases de crise. Vide Jânio Quadros, nos anos 60; Fernando Collor de Mello, no início dos anos 90 e, agora, com o pior deles, o “mito” Jair Messias Bolsonaro. Mas havia uma pedra no caminho da direita, o barbudo Luiz Inácio Lula da Silva. Lua era o único dos tradicionais políticos com condições de vencer a disputa presidencial contra qualquer um, e em qualquer cenário. Naturalmente, ele não escaparia de jeito nenhum, o que fica claro, também, nas mensagens tornadas públicas pelo portal The InterceptBr.

Desastre I

No cômputo dos prós e contras da Lava Jato, a operação tem sido um desastre para o Brasil. Primeiro, fez grandes investidas contra o Estado Democrático de Direito, como se, para combater a corrupção, os fins justificassem os meios. Nas mensagens agora reveladas, Moro e Dallangnol discutem até a intenção de limpar o Congresso. Ora, limpar o Congresso é prerrogativa exclusiva do povo e não de magistrado.

Além disso, a magistrado nenhum compete combinar nada com as partes, já que cabe a ele fazer o julgamento. Da mesma forma que Moro jamais poderia combinar nada com os advogados de Lula (o seu réu predileto), também não poderia fazê-lo com a outra parte, o Ministério Público, órgão acusador.

Desastre II

Também é preciso acabar com essa história de que para combater a corrupção pode-se tudo, inclusive, afrontar o Estado Democrático de Direito. O combate a corrupção, mais que necessário, terá de ser feito nos limites das leis que regem o país.

Desastre III

Quer mais: o que agora se revela da Operarão Lava Jato, com a publicação das mensagens conspiratórias de Moro e o Ministério Público, se configura num violento golpe contra a imagem e a credibilidade da Justiça Brasileira e do próprio MP. O desgaste, diga-se de passagem, bate o mundo a fora.

Desastre IV

Outro grande prejuízo para o Brasil: a rasteira violenta na economia. Em país nenhum do mundo civilizado, Lava Jato ou Mãos Limpas jamais poderá destruir a economia de uma nação a pretexto de combater a corrupção. A Lava Jato causou prejuízo astronômicos a grandes empresas nacionais. Segundo cálculos preliminares, este rombo beira os R$ 200 bilhões. Isto é, se já não ultrapassou esta cifra.

Outro rombo causado ao Brasil pela Lava Jato: o agravamento assustador do desemprego. Apenas para se ter uma ideia: a Odebrecht, que até o advento da operação empregava 160 mil pessoas, com os desdobramentos das investigações, este número hoje caiu para 12 mil, e a empresa estaria em vias de pedir concordata.

***

Resumo da ópera

O Brasil como menos corrupto depois da Lava-Jato nunca houve. A corrupção campeia do mesmo jeito. Mas o Brasil de economia combalida e de mercado de trabalho destroçado é uma realidade nua e crua. É claro que não se pode atribuir todo esse estrago só a Lava Jato, mas que ela foi um instrumento bastante útil para esse cenário de fracasso, disso ninguém pode duvidar.

 

Wellington Farias

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Tudo vai depender da situação de cada município”, diz Wilson Santiago sobre efeitos das mudanças eleitorais para 2020

Indicado pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, como o coordenador  no Nordeste  responsável pelas eleições municipais de 2020, o deputado federal paraibano e presidente estadual do PTB Wilson Santiago,…

Luciano Cartaxo leva “puxão de orelhas” em público de Damião durante encontro

Um encontro em Brasília entre o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV) e bancada paraibana no Congresso Nacional, na última terça-feira (8),  resultou num puxão de orelha para o…