A tese não é nova, mas bem que poderia voltar em forma de campanha estadual em razão dos últimos acontecimentos. Trata-se de uma sugestão para solucionar essa doentia disputa pelo poder que empurra a Paraíba para o centro de Terra. Basta dividi-la em duas. Uma parte fica com Cássio e os cassistas e a outra com Maranhão e aliados. Pronto. Cada qual vá, então, cuidar de seus problemas em seus novos ducados. Seria uma espécie Estados Desunidos da Paraíba.

Isso no papel, oficializado e reconhecido pelo IBGE. Porque, na verdade, a Paraíba já convive com a divisão. Vivemos num só estado com cara de dois. É impressionante como cada um dos dois grupos fala uma língua específica, fazendo com que ninguém se entenda.

Os primeiros dias de 2009 acentuaram tais males históricos. Maranhão se mete numa caravana andando pelo interior do Estado destacando abandono de obras por parte do governo. Só uma ala da Paraíba repercute a caravana, só uma dá ouvidos a ela. A outra ala só ouve o que o governador Cássio destacou hoje em discurso proferido na reabertura dos trabalhos da Assembléia. Que a Paraíba está bem, prosperando, conquistando índices que a colocam nos melhores patamares sociais e econômicos do Estado. Cássio falou para um platéia de governistas. A oposição nem ouviu o que ele disse. Nem ninguém fora de seus seguidores ouve.

Meu Deus, são dois mundos!!! Não tem ninguém de Cássio acompanhando a caravana de Maranhão. Não tem ninguém de Maranhão para ouvir e constatar os avanços do governo Cássio.E onde vamos parar? Exatamente no ponto em que, pelo menos, os dois grupos parecem que se entendem, embora apresentem culpados diferentes: na laterninha do desenvolvimento regional.

E isso ficou evidente no discurso de Cássio hoje: Por que Estados vizinhos ampliam seus aeroportos, constroem novos e novos terminais e temos que nos contentar com uma modestíssima estação de passageiros? Por que todos os Estados do Nordeste estão integrando ou já integraram seu litoral, franqueando caminhos para o turismo e o desenvolvimento econômico, e só a Paraíba não o consegue?

Foi o que disse Cássio. Foi o que eu já ouvi dizer Maranhão. Mas por que é que os dois grupos continuam falando apenas para si mesmos? Por que não há uma unificação de verbo e ação pró-verba para Paraíba?

Se ninguém puder responder isso nos próximos dez anos, então iniciemos uma campanha pela divisão oficial da Paraíba.

Do contrário, estaremos fadados a dividir o pouco ainda por muito mais tempo.

 

 

Soltas


Detalhe – A oposição, em protesto, não compareceu à sessão de reabertura da Assembléia. Saiba que, na reunião que decidiu pelo protesto, nem todos os oposicionistas queriam boicotar a sessão. Somente Jeová Campos, do PT, e Francisca Mota, do PMDB, eram os mais fervorosos defensores da ausência.

Pensando bem – Deputados não comparecem às sessões durante a semana, que diabos vão fazer numa sessão no domingo…

Bem na foto – Cássio parece que começa a virar o jogo no que diz respeito à relação com a imprensa nacional. Em poucos dias, ele registrou boas aparições em sistemas nacionais, defendendo a tese de inocência no processo de cassação. E ainda contou com um monte de notinhas a seu favor. A última delas, publicada na última edição da Carta Capital, a postura do ministro Eros Grau é colocada sob suspeita ante à insinuação de que ele estaria esperando ajuda de Sarney, do PMDB de Maranhão, para se tornar imortal da Academia Brasileira de Letras. Com a condição de cassar Cássio, claro.


Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

2020: deputado aliado de João defende a unificação da oposição em CG

Pré candidato a prefeito de Campina Grande, o deputado estadual Inácio Falcão (PCdoB), defendeu, nesse fim de semana, a unificação da oposição para enfrentar o candidato a ser apresentado pelo…

Galdino faz apelo ao MP por mais tempo para gestores extinguir lixões

Em recente entrevista à imprensa o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) deputado Adriano Galdino (PSB), assumiu o apelo dos prefeitos do Litoral Norte do Estado, que alegando falta…