Registrado em 24 de março de 1966, logo depois da extinção dos partidos imposta pelo Ato Institucional nº 2 (AI-2), o MDB – que em 1980 passaria a ser PMDB – nasceu da tentativa do governo militar de imitar o bipartidarismo norte-americano. Por decreto, coube ao Movimento Democrático Brasileiro fazer oposição; a Aliança Renovadora Nacional (Arena) ficou com o papel de ser governo.

A fórmula deu certo por 16 anos. Em 1980, o fato de abrigar todas as correntes de oposição e a constante adesão de arenistas ao MDB levaram o então presidente João Figueiredo a reinstalar o pluripartidarismo para enfraquecer seus opositores. O MDB virou o PMDB.

Eleita a chapa Tancredo Neves/José Sarney, em 1985, o PMDB jogou fora seu passado de oposicionista. Imediatamente se entranhou de tal forma no poder que todos os governos seguintes dependeram dele para governar. Fernando Collor (1990-1992) foi o que se manteve mais distante. Acabou sendo cassado, num processo por crime de responsabilidade.

No governo do PT, domina seis ministérios, estatais no setor de petróleo e energia, comunicações e saúde, além do controle de delegacias regionais nos Estados. Administra um orçamento de R$ 251 bilhões, quase duas vezes o da Argentina.

 

Agência Estado

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Presidente do PT-CG diz que partido já tem 30 pré candidatos a Câmara

Sem representantes na atual bancada da Câmara Municipal de Campina Grande, o Partido dos Trabalhadores pretende mudar o cenário na próxima legislatura. Para isso, atraiu para os seus quatros nomes…

Em petição, entidades cobram ações de Cartaxo para a população de rua

Entidades não governamentais, grupo de voluntários, militantes da causa em defesa dos direitos dos moradores de rua, cidadão de todos os ramos profissionais, estão promovendo na capital uma petição pública…