Nomeação do paraibano na Integração Nacional sofre um "verdadeiro bombardeio" em Brasília

Sintonizado com os bastidores da política estadual e nacional, o portal PB Agora teve acesso a algumas das barreiras que têm separado o senador Vital do Rêgo Filho do Ministério da Integração Nacional.

Disputada por diversas forças políticas, a pasta será responsável pela retomada das obras da Transposição do rio São Francisco, considerada uma das principais metas do Governo Federal para 2014.

A primeira barreira é a determinação do governador do Ceará, Cid Gomes, que deseja manter o seu aliado e atual ministro, Francisco Teixeira, que substituiu o pernambucano Fernando Bezerra. O partido de Cid Gomes, o PROS, ameaça lançar a candidatura de Ciro Gomes à presidência caso o PMDB assuma a pasta.

A segunda barreira é a relação tensa que alguns aliados da presidenta têm mantido com o senador na Paraíba, sobretudo o Partido Progressista.
Sabe-se que PP e PMDB são ferrenhos adversários em Campina Grande, e a nomeação de Vital, obviamente, desagradará o ministro Aguinaldo Ribeiro devido ao embate local existente entre as duas famílias. A contestação, nesse caso, é eminentemente pessoal. Sobre esse assunto, há uma publicação inclusive no jornal Correio Brasiliense.

A terceira barreira é um acordo antecipado pela presidenta Dilma Rousseff com o presidente do Senado, Renan Calheiros, para garantir o apoio do PT ao candidato do PMDB, Renan Filho, em Alagoas. A aliança está praticamente selada na “terra dos Palmares”, o que diminuiria a pauta de reivindicações dos peemedebistas em Brasília.

A quarta barreira é a amizade entre a prefeita de Pombal, Polyana Feitosa, e o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva. Adversária política do grupo que apoia Vital do Rêgo em Pombal, a petista que tem o apego do ex-presidente, teria opinado radicalmente pela reprovação do peemedebista e virou mais um espinho no caminho do paraibano.

A quinta barreira é a candidatura do senador Eunício Oliveira ao Governo do Ceará. O peemedebista exige o apoio do PT e do governador Cid Gomes ao seu projeto. Consequentemente, Cid quer o Ministério.

Para dificultar ainda mais o processo, líderes do PP e do PROS anunciaram nesta quarta-feira (6) a formação de um bloco na Câmara dos Deputados que reunirá 57 deputados para aumentar o seu poder de negociação, elevando o cacife de ambos no Governo Dilma Rousseff. A união das siglas também visa, evidentemente, afrontar o PMDB.

Pelo que se vê, a nomeação do paraibano na Integração sofre um "verdadeiro bombardeio". Precisa saltar pelo menos cinco grandes barreiras.

A presidenta Dilma Rousseff, no caso em pauta, não poderá ser ‘salomônica’ e terá que desagradar gente de muito peso que opera contra Vital do Rêgo.

Diante desse quadro, ascender ao almejado Ministério será uma proeza e tanto do senador paraibano. Precisa se valer neste momento da palavra de encorajamento bíblico que diz que “os humilhados serão exaltados”.

Ytalo Kubitschek

PB Agora

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Criação da Fundação PB Saúde é publicada no DOE e Hospital de Mamanguape será o 1°a integrar

A lei aprovada recentemente na Assembleia legislativa da Paraíba (ALPB) que autoriza a criação da Fundação PB Saúde foi publicada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (18). Segundo informou…

Opinião: se achando acima da lei, deputado Walber Virgolino faz ameaça a este colunista

O deputado estadual Walber Virgolino (Patriotas) é aquela pessoa do bem, mas confunde a prerrogativa de delegado de polícia, profissão, diga-se, muito honrada, com a de homem público, infringindo, no…