Por pbagora.com.br

O vice-líder do PSL na Câmara Filipe Barros (PR) entrou com mandado de segurança nesta quarta-feira (3) no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a instalação da CPI mista das Fake News, determinada na última tarde pelo presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O pedido de criação da CPI foi apoiado por parlamentares de vários partidos, do PT ao próprio PSL, por motivos diferentes.De acordo com o requerimento, a comissão deve apurar a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições de 2018, a prática de cyberbullying sobre os usuários “mais vulneráveis da rede de computadores, bem como sobre agentes públicos”, e o aliciamento de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.
Para Filipe Barros, a CPI não tem um objeto “minimamente definido” que permita o controle legal de suas atividades investigatórias. Sem objeto definido, alega o vice-líder do PSL, pode investigar tanto um “cidadão mais ativo nas redes sociais que manifesta suas opiniões e replica outras em tom crítico” aos três poderes, quanto “criminosos que se utilizam do anonimato para fomentar a prática de crimes”.

 

Redação com Congresso em Foco

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: João Azevêdo dribla picuinhas localizadas e se mantém macro no debate político

O elogio do vice-presidente da República Hamilton Mourão (PRTB) à postura do governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), em entrevista a veículos de imprensa paraibanos nesta semana, comprovou que o…

Roberto Paulino destaca apoio de João Azevêdo na campanha em Guarabira

“Homem íntegro, honesto, trabalhador e humilde” Essas são algumas das palavras proferidas pelo governador João Azevêdo (Cidadania) em vídeo, para cravar sua participação na campanha eleitoral do município de Guarabira,…