A Paraíba o tempo todo  |

Para fustigar Serra, Lula elogia greves de professores

Terminou em Brasília a 1ª Conferencia Nacional de Educação. Lula deu as caras. E levou os lábios ao microfone.

A certa altura, elogiou a capacidade de mobilização dos professores. Enalteceu algumas modalidades de pressão. Entre elas “as greves”.

Na definição de Lula, as paralisações ajudam o Estado a avançar. Acrescentou: “Governo bom não é aquele que governa dissociado do povo”.
As referências de Lula às greves e aos governantes que se dissociam do povo soaram como frases meticulosamente calculadas.
Foram lançadas na atmosfera num instante em que a gestão tucana de José Serra mede forças, em São Paulo, com o sindicalismo do setor educacional.

Em 8 de fevereiro, uma associação que diz representar os professores, a Apeoesp, declarou-se em greve. Pede coisas razoáveis e absurdas.
No rol dos pedidos razoáveis incluiu-se o reajuste de salário. Há quem enxergue exagero no percentual: 34%. Mas pouca gente se anima a desqualificar a pauta.

A lista de reivindicações absurdas inclui a extinção de um sistema que injetou a meritocracia na carreira dos professores.

Estipula metas. E prevê a concessão de aumentos salariais aos professores que lograrem atingi-las. Só o apreço à vagabundagem justifica a oposição à idéia.

Mas a pauta de reivindicações não é o que mais chama a atenção. O que salta aos olhos é o formato eleitoral do embrulho.
O sindicalismo escolar foi à jugular de Serra justamente na hora em que a disputa presidencial ganha contornos mais aguçados.
A Apeoesp é filiada à CUT. Preside a associação Izabel Azevedo Noronha, a Bebel. É filiada ao PT. Até aí, nada demais.

O diabo é que Bebel, petista de mostruário, usa assembléias e manifestações supostamente corporativas para fazer campanha anti-Serra.
Fala coisas assim: “Nós estamos aqui para quebrar a espinha dorsal desse partido e desse governador”. Ou assim: “Não será, Serra! Você não será presidente da República. Isso está escrito nas estrelas”.

Quem ouve Bebel se sente tentado a perguntar: Ué, mas os professores não queriam aumento salarial?

Ao defender as greves em timbre genérico, sem os necessários contrapontos, Lula como que se associa à anarquia.

No discurso dirigido aos participantes conferência de educação, Lula declarou que, nas últimas três décadas, a profissão de professor foi “judiada e sucateada”.

Certo, muito certo, certíssimo. Tão correto quanto a evidência de que não será por meio da partidarização da engrenagem sindical que se obterá uma reversão do quadro.

Nas entrelinhas do pronunciamento de Brasília, Lula enviou a São Paulo uma mensagem. Foi como se tivesse dito: Vá em frente, companheira Bebel. Dobre a espinha do Serra. Às favas com a Educação!
 

Blog de Jamildo Jc Online

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe