A Paraíba o tempo todo  |

Para estreitar laços, Temer oferece jantar a senadores do PSDB

 Para estreitar laços com o PSDB e reforçar o compromisso com o ajuste fiscal, o presidente da República em exercício, Michel Temer, ofereceu na noite desta quarta-feira (17) um jantar, no Palácio do Jaburu, a senadores tucanos, entre os quais Aécio Neves (PSDB-MG).

Segundo auxiliares do peemedebista, o objetivo é reforçar a relação do Palácio do Planalto com a legenda e dar garantias de que a equipe econômica não vai flexibilizar o controle de gastos de olho na eleição presidencial de 2018.

Além de Aécio Neves, participam do jantar os senadores Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Aloysio Nunes (PSDB-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE).

De acordo com o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, o PSDB estaria insatisfeito com atitudes de Meirelles que, segundo o partido, passou a adotar tom de candidato a presidente na eleição de 2018. Isso poderia abalar o apoio do PSDB ao governo.

Ainda segundo o Blog do Camarotti, o jantar desta noite foi proposto por Temer justamente em razão de ele ter sido informado de que tucanos passaram a criticar Meirelles. Para esses senadores do PSDB, o titular da Fazenda estaria flexibilizando o ajuste fiscal por motivos eleitorais.

A preocupação de Temer é que essa situação gere um clima de estabilidade na condução da política econômica.
Segundo apurou o G1, Temer tentará, no jantar, “tirar os solavancos do horizonte” na relação com o PSDB. Além disso, buscará mostrar aos tucanos que Meirelles faz um trabalho técnico, e não político, e que suas decisões estão em “sintonia” com o Palácio do Planalto, buscando a estabilidade econômica.

Entre auxiliares do presidente em exercício, a avaliação é que o PSDB tem “compromisso” com as medidas propostas pelo governo até aqui, mas é preciso que Temer os convença do caráter técnico das medidas.

Antes do encontro no Jaburu, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse que “a principal razão” do apoio tucano ao presidente em exercício é a “agenda de reformas” no setor econômico que deve, no entendimento de Aécio, ser conduzida pelo governo do peemedebista.

O senador mineiro também disse que o PSDB tem contribuído com o governo fazendo “alertas” sobre a política econômico. Ao ser questionado sobre a atuação do ministro Fazenda, Aécio disse que Temer “precisa comandar o seu time”.

Aliança
Principal adversário do governo da presidente afastada Dilma Rousseff, o PSDB se tornou um dos mais próximos aliados do governo do presidente em exercício. Ao assumir, em maio, Temer nomeou no primeiro escalão três ministros tucanos: José Serra (Relações Exteriores), Bruno de Araújo (Cidades) e Alexandre de Moraes (Justiça).

Além de ministros, Temer escolheu o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), líder do governo no Senado – Aloysio Nunes disputou a eleição presidencial de 2014 como candidato a vice-presidente na chapa formada com o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

G1.com.br

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe