Ainda é cedo para se verificar que resultados práticos terão as manifestações ocorridas neste domingo (26) em várias cidades do Brasil, convocadas pelo presidente Jair Bolsonaro. Somente ao longo desta semana é que se poderá saber que efeitos aquele povo nas ruas terá causado no sentido de respaldar o governo.

Para aqueles que se opõem ao Palácio do Planalto, de fato houve mais gente nas manifestações do que se poderia se esperar. É bom lembrar, a propósito, que os opositores esperavam que houvesse até o efeito contrário, como aconteceu com o então presidente Collor, que convocou o povo para apoiá-lo, mas este foi às ruas para botá-lo pra fora. Desta vez não foi assim.

Para os apoiadores de Jair Bolsonaro, o povo atendeu ao chamamento do presidente, mas não maciçamente como eles queriam, ou seja: havia, sim, gente nas ruas, mas não numa quantidade suficiente para intimidar ou emparedar os que se opõem ao governo e às suas propostas de reformas.

Um fracasso?! Também não foi, convenhamos. Havia uma quantidade razoável de gente nas ruas – considerando, sobretudo, os índices atuais de desgaste do atual governo – embora menor do que o verificado nas manifestações a que estamos acostumados a ver, incluindo-se aí a última delas em protesto contra a redução de verbas para a Educação.

Enfraquecendo

O que mais pode ter contribuído para o enfraquecimento das manifestações certamente foram os receios que as cercavam. O próprio presidente Jair Messias Bolsonaro evitou comparecer ao evento, além de pedir a seus ministros que também não aparecerem nas rua para prestigiar o evento.

Por quê?

Primeiro porque temiam pagar mico em meio a um eventual fracasso de público; segundo porque poderiam arcar com conseqüências desastrosas como apoiadores de um evento com propostas antidemocráticas em que se pediu o fechamento do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e se bateu com força na classe política, ou seja: propostas inconstitucionais, contra o estado democrático de direito e, portanto, criminosas.

E mais

Até o Movimento Brasil Livre (MBL), de ultradireita, foi espinafrado pelos manifestantes, sem falar que o racha foi grande também no PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro. Muita gente do governo, prevendo a péssima repercussão das propostas ditatoriais e contra as instituições brasileiras, preferiu não comparecer, como também sugerir ao presidente não participar. Houve até quem radicalizasse se opondo.

Outro tom

Em entrevistas que concedeu no domingo mesmo, o presidente Bolsonaro já falava num tom mais brando do que o habitual, propondo diálogo com as instituições e assumindo a sua parcela de culpa pelos desencontros. O Bolsonaro mais leve também demonstra que as manifestações não lhe deram suporte para o enfrentamento com a classe política.

Aguardem

Portanto, diante desse quadro, não se sabe ao certo se o governo sai fortalecido das ruas, ou não; se as oposições se fortaleceram face às propostas dos pro-governo em favor do fechamento do Congresso, do Supremo e contra a classe política, ou não.

O melhor é aguardar…

 

Wellington Farias


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: RC vê conotação política em escritório arrombado. Acha que há mandantes

Em resposta a questionamentos da coluna, o presidente da Fundação João Mangabeira e ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), disse, na madrugada deste domingo (18), não ter dúvidas de que…

Nabor defende união de forças da classe política após renúncia de prefeito de Patos

Após a renúncia ao cargo de prefeito pelo interino Sales Júnior, no município de Patos, o deputado estadual Nabor Wanderley destacou a necessidade de união em prol da cidade. Sales…