Por Eliabe Castor
 
 

Sinceramente, o leitor que acompanha a minha (a nossa) coluna não se decepcionou. Não precisa ser um mago para entender em outras datas as estratégias dos institutos de pesquisa eleitoral. Eu entendo que eles são importantes, e como tudo tem seu fim, o ocaso de tais vem em vento forte. Basta aguardar!

Mas agora vamos a uma pequena análise que fiz no início do ano. Estando o comunicador Nilvan Ferreira (MDB) e o ex-senador Cícero Lucena (PP) em um embate eleitoral direto, haveria segundo turno em João Pessoa. Fui criticado. Fiquei Calado. Só aguardando os resultados das urnas.

E observe: trata-se de uma nova eleição. Particularmente vejo certo favoritismo na pessoa de Cícero Lucena neste segundo turno por já ter ocupado importantes cargos públicos, sendo ele, inclusive, prefeito da Capital por dois mandatos consecutivos. Em relação ao governador Ricardo Coutinho (PSB), seus desgastes jurídicos foram devastadores. E não há muito a ser falado.

Quanto a o atual prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), com a máquina da prefeitura na mão, poderia sair vitorioso na outrora Filipéia de Nossa Senhora das Neves, pois apoiava sua cunhada e ex-secretária de Educação da sua gestão, Edilma Freire (PV). Porém o alcaide não entendeu que o mundo está mudando e o feudalismo está em desuso há muitos séculos.

Foi para a “Fogueira Santa” como Nicolau Copérnico. Mas há um adendo: em 24 de maio de 1543 o sábio foi incinerado. Copérnico descreveu o sistema heliocêntrico, segundo o qual o Sol é o centro do sistema solar e a sucessão de dias e noites deve-se à rotação da Terra sobre o próprio eixo. Até aquele ano, a teoria do geocentrismo, segundo a qual a Terra era o centro do universo, permaneceu incontestada. Ele não colocou parentes para disputar o papado. Mas assim mesmo foi incinerado pela Igreja Católica.

Maranhão e João Azevêdo são os grandes estrategistas

Ponto para o senador José Maranhão (MDB) que apoiou vigorosamente Nilvan Ferreira. Retirou o mesmo da TV Correio e o tornou um fenômeno nas urnas. O mesmo vale para João Azevêdo (Cidadania). Antes apenas um técnico bem qualificado na gestão de Coutinho, mostrou ser ele exímio político. Retirou com os Velloso Borges Ribeiro*, Cícero Lucena,* do ninho tucano e o resultado está aí. Está em luta (ferrenha) com o postulante do MDB.

Em Campina

Mesmo havendo uma pequena discórdia no clã Cunha Lima, quem bateu o martelo, de fato, foi o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB). Colocou seu parente, o ex-deputado Bruno Cunha Lima à frente do Executivo de Villa Nova da Rainha (PSD). E quem manda na tribo é o cacique, e ponto final.

A coluna acertou em Cabedelo

Não. Não era o nome mais contado para ser eleito para um Assento na Câmera Municipal de Cabedelo. Mas aos poucos ele foi crescendo com sua liderança e simplicidade. Falo do membro da Marinha Mercante do Brasil, Júnior Paulo (Republicanos). “Derrubou” gente com muito dinheiro no bolso.

E moralidade na Câmara Municipal de Cabedelo, e no próprio poder Executivo da cidade portuária falta há muito. E perguntar não ofende: a Xeque Mate aperta na parede o prefeito reeleito Vitor Hugo (DEM)? Denúncias não faltam contra esse cidadão.

Tião e o fenômeno da longevidade política

Ele tem “apenas” oito mandatos consecutivos a deputado estadual. Falo de Tião Gomes (Avante), e nessas eleições ele consolidou ainda mais sua força política. Uma das vitórias mais expressivas foi na terra que o parlamentar foi prefeito, considerada também o seu reduto eleitoral, onde em uma estratégia para derrotar o prefeito de Areia, Tião Gomes se uniu a um adversário histórico, Elson Cunha Lima, e obteve êxito nas urnas, elegendo Dra. Silvia como prefeita. Aparecida Gomes, filha de Tião desistiu da disputa e passou a apoiar Dra. Silvia.

Com esse resultado, Tião Gomes somou mais três municípios à sua base eleitoral. São eles: Areia, Bananeiras e Algodão de Jandaíra.

A força política de Felipe Leitão foi decisiva para eleger o pai

Carismático, líder partidário, o deputado Felipe Leitão (Avante) , vice presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, em pura sintonia com o pai, o ex-deputado Mikika Leitão conseguiu ( ou conseguiram) eleger seu genitor, filiado ao (MDB). Para completar o quadro de excelência, foi apoio de primeira hora do ex-senador Cícero Lucena.

De quebra, Leitão, que é o presidente municipal do Avante em João Pessoa comentou, nesta segunda-feira (16), o saldo das eleições municipais com o resultado expressivo que a legenda obteve na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), sendo, ao lado do PP, PV, Cidadania e Patriota, a maior bancada da Casa. O partido obteve ainda o candidato com o maior número de votos nessa eleição, Tanilson Soares, com 7.570.

 
 

Por Eliabe Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Confira alguns fatores que podem ser definitivos na escolha para a presidência da CMJP

Vinte e sete vereadores foram eleitos para a próxima legislatura da Câmara Municipal de João Pessoa, na Paraíba. O parlamentar eleito com mais votos, Tanilson Soares (Avante), teve 7.510 sufrágios,…

Repartições estaduais terão ponto facultativo nos dias 8, 24 e 31

Portaria publicada hoje (2), na edição do Diário Oficial do Estado, faculta os expedientes dos dias 8, 24 e 31 de dezembro de 2020, nas repartições estaduais da Administração Direta…