A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: Sucessão estadual: para onde os Ribeiros forem também levam Cícero?

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O grupo Ribeiro tem a sua importância no cenário da política da Paraíba, é claro. E deve ser disputado pelas chapas majoritárias, sem dúvida.

O grupo tem Daniela, a primeira senadora eleita pela Paraíba; o deputado federal e ex-ministro, Aguinaldo, irmão da parlamentar; tem Lucas Ribeiro, vice-prefeito de Campina Grande e filho de Daniela; e tem, também, o patriarca da família, Enivaldo Ribeiro, ex-prefeito de Campina, cuja importância política é inegável.

Neste momento da conjuntura política, porém, em que começa a se definir o quadro da sucessão estadual, a dúvida é: para onde os Ribeiros forem levarão também Cícero Lucena, prefeito de João Pessoa?

Os Ribeiros com Cícero Lucena têm um peso; sem ele, têm outro, infinitamente menor. Afinal, Cícero é o prefeito da Capital, o maior colégio eleitoral da Paraíba; foi um vitorioso nas últimas eleições e com uma exemplar capacidade de superação política. Cícero passou cerca de 16 anos num exílio político voluntário e voltou por cima da carne seca para administrar João Pessoa.

Entrave

Como candidato majoritário à reeleição que busca ampliar o leque de aliados, é claro que o governador João Azevedo tem todo o interesse de ter (também) os Ribeiros ao seu lado, no seu palanque.

Ocorre que os Daniela (sobretudo ela) e Aguinaldo têm demonstrado inclinação para o lado do presidente Jair Bolsonaro; são de um partido que copõem o chamado Centrão. E o governador Azevêdo já deixou claro: não quer bolsonarista no seu palanque, muito menos na sua chapa.

O prefeito Cícero Lucena também tem demonstrado que não tem interesse nenhum em se queimar com a pecha de bolsonarista, ou simplesmente de apoiador do projeto do presidente Bolsonaro.

Agravante

Numa eventual aliança dos Ribeiros com o grupo que apoia a pré-candidatura do ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, é provável que o prefeito Cícero Lucena se sentiria duplamente desconfortável:

Como se não bastasse a marca bolsonarista que carimba a chapa de Romero Rodrigues, no íntimo Cícero demonstra não ter mais simpatia nenhuma por qualquer projeto político que tenha a participação do ex-senador Cássio Cunha Lima, de quem levou rasteiras num passado recente, quando o prefeito de João Pessoa ainda era do PSDB.

Quem transita no meio político não tem dificuldade nenhuma em perceber que Cícero Lucena tem um pé atrás com Cássio e seus aliados.

Mas também é bom lembrar a velha frase atribuída e vários pensadores e lideranças políticas: “A política é a arte do possível”.

E muita água ainda vai rolar ao longo dos próximos meses.

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      4
      Compartilhe