Por Wellington Farias

A menos que tomem juízo e ponham de lado as vaidades e outros interesses menores, em torno de um projeto só, os partidos que compõem o chamado “campo democrático popular” correm o risco de ficar chupando o dedo, na disputa pela prefeitura de João Pessoa.

O cenário que se configura nem um pouco é favorável a este segmento, se forem para a disputa com candidaturas próprias, cada um pro seu lado e pensando no seu próprio umbigo.

E, convenhamos, será pior ainda se porventura o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) não disputar a sucessão de Luciano Cartaxo (PV).

E tem mais: não basta a união dos partidos do tal “campo democrático popular”; é preciso ter um nome viável, eleitoralmente.

Por exemplo: se uma eventual junção de todos estes partidos for em torno da pré-candidatura de Edilma Freire, é mesmo Canadá. Lona na certa.

Além de ser uma ilustre desconhecida, Edilma não tem densidade eleitoral e muito menos qualquer afinidade ideológica com nenhum desses partidos.
Muito mais viável seria uma união de todos em torno da pré-candidatura de Anísio Maia (PT), naturalmente incluindo nesse bloco o ex-governador Ricardo Coutinho.

Pra ganhar

Nos bastidores da política pessoense se comenta que é real a possibilidade de uma candidatura de Ricardo Coutinho, para prefeito, com um nome do PT na vice.
Ai, sim, é chapa para disputar em condições de igualdade com qualquer uma outra.

Prego batido?

Da presidente do Diretório Municipal do PT, em João Pessoa, Giucélia Figueiredo, a coluna recebeu a seguinte explicação, sobre o momento atual:

“Como presidente (do PT municipal), tenho que defender as deliberações partidárias. E deliberamos, por unanimidade, a candidatura própria do PT com o nosso pré-candidato Anísio Maia, tendo Percival (PCdoB) como nosso pré-candidato a vice.
Continuamos abertos a aglutinar os partidos do campo democrático e popular. Caso não seja possível, respeitaremos as posições dos partidos políticos. A eleição é de dois turnos; no segundo turno é outra eleição. Nosso desejo é unir todos os partidos do campo democrático e popular. Nossa convenção será domingo. Até lá, vamos dialogando com o espírito de aglutinar em torno de Anísio e Percival”.

Enquanto isso

O ex-governador, ex-senador, ex-ministro e ex-prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (PP), vai comendo pelas beiradas e amealhando apoios. Só do bloco de Luciano Cartaxo levou uma turma de peso bem considerável.

Do lado da extrema-direita, a coisa também não está tão boa. Além de candidatos inexpressivos, está tudo dividido.

Os que representam (ou se julgam representar) o sentimento bolsonarista formam em vários partidos, isoladamente, sendo o mais destacado deles o comunicador Nilvan Ferreira (MDB).

 

Wellington Farias

PB Agora

Por Wellington Farias

Notícias relacionadas

“Ele está com as mãos sujas de sangue”, diz petista ao culpar Bolsonaro pela quantidade de mortos na pandemia

Ao fazer uma análise sobre os números alastrantes de mortes por Covid-19, no Brasil o vereador pessoense Marcos Henriques (PT), tem um culpado e esse se chama o presidente da…

“Cada vereador dessa Casa é um líder”, diz Bruno Farias destacando ações da CMJP

Em entrevista a imprensa o novo líder da bancada de situação na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), vereador Bruno Farias (Cidadania), defendeu a “sintonia”, não somente de sua parte,…